[the_ad id="288653"]

A evolução dos condomínios: estratégias para uma vida mais feliz

Personagens incrementam os eventos nos condomínios | As apresentadoras do Condominicando, Gláucia La Regina e Cleuzany Lott na Feira para Condomínios | FOTO: Arquivo pessoal

Certamente, em algum condomínio do país, hoje o Dia das Mães está sendo comemorado coletivamente. Além de todas as mães merecerem esse carinho, a celebração de datas especiais é uma das estratégias usadas para melhorar o relacionamento e deixar os moradores mais felizes.

Muitas empresas e promotores autônomos perceberam esse filão e estão investindo em festas residenciais. Constatei de perto essa tendência ao participar do 3º Congresso Brasileiro de Condomínios, realizado no final do mês passado, em São Paulo.

O tema sobre organização de eventos corporativos não entrou na programação do Cobracon, promovido pelo instituto Abrascond – Associação Brasileira de Assistência e Tecnologia para Síndicos e Condomínios.

Entretanto, assim como na edição passada, paralelamente ao congresso, ocorreram a Feira de Segurança, Manutenção, Serviços e Equipamentos para condomínios (Condo+), a Feira Internacional para Hotelaria e Gastronomia (Expotel) e a Fhoresp Experience 2024, reunindo profissionais dos setores de meios de hospedagem, eventos e food service.

No ambiente destinado aos condomínios, havia empresas de todos os tipos de serviços necessários à gestão, incluindo as de eventos corporativos. Algumas delas ofereciam apresentações teatrais interativas, atores, personagens de impacto visual, cenografias, entre outros recursos para promover atividades recreativas nos condomínios.

Eventos conjuntos oferecem produtos e serviços relacionados ao bem-estar | FOTOS: Arquivo pessoal

Condomínio moderno

Essa proximidade de segmentos mostra o que já estamos testemunhando há muito tempo: o perfil do condomínio mudou e, por mais simples que sejam, ultrapassam o conceito de residir.

As pesquisas indicam que a expectativa de moradia das pessoas está associada à modernidade, bem-estar e qualidade de vida. Esses sentimentos são semelhantes ao que foi apontado no relatório anual da Organização das Nações Unidas.

O documento foi publicado no último dia 20 de março, quando 190 estados-membros da ONU, inclusive o Brasil,  comemoraram o Dia Internacional da Felicidade.

A data surgiu em 2013 por sugestão do Butão, um país localizado no sul da Ásia, no extremo leste dos Himalaias. O reino adota como estatística oficial a “Felicidade Nacional Bruta”, em vez do Produto Interno Bruto (PIB).

O relatório apontou que “o interesse pela felicidade e pelo bem-estar subjetivo aumentou muito, seja medido pela frequência dessas palavras em livros em vários idiomas do mundo, seja pela escala de pesquisas publicadas, seja pelo número de iniciativas governamentais de medição”.

Direito à Felicidade

Por pouco, a “busca da felicidade” não foi incluída nos direitos sociais do brasileiro. De autoria do então senador Cristovam Buarque (PDT-DF), a Proposta de Emenda à Constituição nº 19/2010 tramitou no Congresso Nacional até 2014.

A “PEC da Felicidade”, como ficou conhecida, chegou a passar pela Comissão de Constituição e Justiça. Ela alteraria o artigo 6º da Constituição Federal para considerar os direitos ali previstos como essenciais à busca da felicidade. Mas o projeto foi arquivado ao final da 54ª Legislatura, devido ao excesso de prazo no trâmite.

Sem burocracia

Proporcionar a felicidade nos condomínios é menos complicado do que no Congresso Nacional. Basta iniciativa, criatividade, incentivo  e boa vontade, principalmente dos síndicos.

No podcast Condominicando, por exemplo, há um episódio com duas síndicas que contam como fazer para deixar a vida dos moradores mais leve e divertida sem gastar.

Em síntese, o crescente nicho de eventos em condomínios oferece uma gama de oportunidades para promover a interação comunitária e a felicidade dos moradores. Datas especiais como o Dia das Mães serve como catalisadores para fortalecer esses laços.

Essas celebrações não só homenageiam as mães, mas também destacam a importância de estratégias que visam melhorar o convívio e a qualidade de vida de todos.

Feliz dia das Mães!


Cleuzany Lott é advogada especialista em direito condominial, síndica, jornalista, publicitária, Diretora Nacional de Comunicação da Associação Nacional da Advocacia Condominial (ANACON ), diretora da Associação de Síndicos, Síndicos Profissionais e Afins do Leste de Minas Gerais (ASALM), coautora do livro e-book: “Experiências Práticas Conflitos Condominiais” , produtora e apresentadora do podcast  Condominicando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[the_ad_placement id="home-abaixo-da-linha-2"]

LEIA TAMBÉM

A responsabilidade do líder cristão

🔊 Clique e ouça a notícia O líder, seja de qualquer grupo, é aquele que tem a responsabilidade de guiar o grupo no caminho correto, principalmente, quando esse se vê

Muitas aflições

🔊 Clique e ouça a notícia Não existe nada de novo sob o sol. A existência humana é pontuada de acontecimentos, de momentos passados, presentes e futuros; alguns traumáticos, outros

Humanidade, solidariedade e irmandade

🔊 Clique e ouça a notícia Nos rincões de um país continental como o Brasil, nos pampas gaúchos, no estado do Rio Grande do Sul que, juntamente com Santa Catarina