Vereadora Iracy pede fim do Zona Azul em áreas hospitalares

0
243
Placas do Zona Azul que ficam no quarteirão da rua Teófilo Otoni, próximo à Capela Velório Santo Antônio, foram tampadas

No último dia 15 de março a Prefeitura Municipal anunciou a 3ª fase de implantação do Estacionamento Rotativo Zona Azul na região central de Valadares, ampliando-o para mais 13 ruas, com a criação de mais 350 vagas, totalizando 1550 vagas rotativas na cidade. Mas a proposta da Prefeitura é chegar até 4000 vagas de Zona Azul no centro de Valadares.

O que causou revolta na população foi a inclusão de vagas rotativas nas ruas que circundam o Hospital Municipal, a Policlínica Central e a Capela Velório Santo Antônio. Um grupo de pessoas organizou um protesto no local e a medida repercutiu também na Câmara Municipal, onde a vereadora Iracy de Matos (Solidariedade) apresentou um requerimento solicitando ao governo uma reavaliação da situação.

A Prefeitura recuou e retirou a placa do Zona Azul do quarteirão da rua Teófilo Otoni, onde fica a Capela Santo Antônio, excluindo também as vagas de toda a rua Cláudio Manuel, onde está a rotatória que dá acesso à entrada do Cemitério. Mas manteve o Zona Azul no restante da rua Teófilo Otoni e nas ruas Ana Nery e Oswaldo Cruz, nas vagas próximas ao Hospital Municipal e à Policlínica Central.

Segundo Iracy de Matos, o que a motivou a requerer uma reavaliação do Executivo foi o exemplo de outras cidades. “Em outras cidades do Brasil, como Belo Horizonte, as áreas de saúde e hospitalares têm reservas de vagas garantidas para trabalhadores e para a população parar em caso de emergência. Tem a separação de ambulância e tem a separação de área hospitalar, por exemplo. São vagas destinadas a pacientes e funcionários. Acho que deveria ser repensada essa questão de colocar Zona Azul em área hospitalar e próximo a equipamentos públicos de saúde”, argumenta.

Rotatividade de vagas

O Estacionamento Rotativo denominado “Zona Azul” é a modalidade pública de vagas de carro cuja principal função é permitir rotatividade entre veículos, possibilitando uma maior oferta de vagas controladas por minutos/horas. É a solução encontrada para a escassez de vagas de estacionamento nas ruas centrais das grandes cidades.

Segundo comunicado publicado no website oficial da Prefeitura de Valadares, a proposta da nova Zona Azul é atingir quatro mil vagas à medida que elas forem sendo demarcadas e emplacadas. O tempo máximo de permanência é de duas horas. O valor é de R$ 2,20 por hora de estacionamento.

População reclama

A empresária Fernanda Rodrigues da Silva, que é proprietária de uma funerária nas proximidades da Capela Santo Antônio, é uma das pessoas que protestaram. “No mesmo dia em que as placas do Zona Azul foram instaladas fiz uma chamada nas redes sociais para uma manifestação pacífica, e a placa próxima à Capela Velório foi retirada pela Prefeitura”.

Segundo Fernanda, a população sofre os impactos de medidas como esta. “Propus a manifestação pacífica por me preocupar com os cidadãos que precisam de vacinação, consulta de urgência ou medicação nas unidades próximas”.

Já Maria Catarina, moradora do bairro Morada do Vale, reclama que a população já não consegue acessar nenhum serviço público de saúde, no centro da cidade, sem pagar o Zona Azul. “Não sei por que tanta Zona Azul, sendo que a cidade está uma vergonha de tantos buracos, que dá medo”, indaga.