[the_ad id="288653"]

Novo vinho brasileiro: o tradicional método do Champanhe

FOTO: Divulgação

MARCELLE JUSTO

Só é Champanhe o espumante produzido na região de mesmo nome, no norte da França, pelo método tradicional. As principais castas são Chardonnay, Pinot Noir e Meunier. Nesta técnica, a bebida sofre a segunda fermentação na garrafa, passa pelo processo da remuage (que consiste em colocar as garrafas em um cavalete com o gargalo para baixo, onde são giradas, fazendo com que o sedimento se juntem na tampa). Em seguida, vem o dégorgement (degola em português, que é a retirada dos sedimentos do gargalo).


Para ser bebida bem gelada, tem muito frescor e alta acidez. São acentuados os sabores de maçã, cítricos e toques de panificação. Sim, o champanhe tem um gostinho de brioche!


Muitos lugares produzem espumantes pelo método tradicional, que ganham outros nomes, como os Cava da Espanha. Há boa produção também na Califórnia e no Oregon, nos Estados Unidos, no norte da Itália e na América do Sul.


Aqui na Serra Gaúcha, temos uma região de produção de espumantes de excelência pelo método tradicional, que é Pinto Bandeira. As castas permitidas no Brasil são Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico.


Este, no entanto, não é o único método de fazer vinhos espumantes. Com a necessidade de produzir em escalas maiores e baratear os custos, foi criado o método Charmat. Neste modelo, a segunda fermentação acontece em grandes tanques, quase sempre de inox, o que facilita muito o processo. Um exemplo famoso é o Prosecco italiano.


Aqui no Brasil, pelo método Charmat, conseguimos garrafas muito frutadas, com as características de frescor e acidez, por custo-benefício incríveis. De norte a sul do país, a produção não para de crescer!

HARMONIZAÇÃO

É a bebida do verão e das festas de fim de ano! A acidez presente na bebida limpa o paladar e permite aquela bagunça gastronômica típica dos grandes banquetes.
Tim-tim!


Jornalista e sommelière. Especialista em vinhos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[the_ad_placement id="home-abaixo-da-linha-2"]

LEIA TAMBÉM

A interação entre universidades, empresas e governos

🔊 Clique e ouça a notícia por Igor Torrente (*) Universidades e institutos de pesquisa são celeiros do conhecimento, estando comprometidos com o desenvolvimento de novas ideias e soluções. Contudo,

‘Castelo de Babel’

🔊 Clique e ouça a notícia por Ulisses Vasconcellos (*) Tenho uma teoria de que a mesma viagem pode ser vivida infinitas vezes. A primeira, claro, no presente, com o

Horoscopomania e barra

🔊 Clique e ouça a notícia Por Crisolino Filho (*) Como tudo na vida, as manifestações sobre horóscopo têm duas vertentes. Por um lado, alguns cientistas dizem que a astrologia