Uso de tecnologia fotovoltaica pode reduzir tarifa de energia em até 95%

A energia fotovoltaica é considerada ambientalmente sustentável, e sua instalação pode ser feita em estabelecimentos residenciais, comerciais ou industriais

Cresce em Governador Valadares o uso da energia fotovoltaica, a energia elétrica produzida a partir da captação da luz solar em painéis. A utilização dessa fonte renovável reduz a dependência da energia gerada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), o que diminui o valor da tarifa paga à concessionária. Segundo o engenheiro eletricista Marco Aurélio Prates, a economia pode chegar a 95%.

O engenheiro, proprietário de uma empresa que trabalha com a energia fotovoltaica, explica que o consumidor, ao instalar essa tecnologia, passa também a produzir energia, em uma usina de microgeração. Parte do que foi gerado ao longo do dia é injetado na rede da Cemig, ajudando a desafogar o sistema da concessionária. “A pessoa que instala uma miniusina contribui em primeiro lugar para o meio ambiente, em segundo lugar com a concessionária de energia, e em terceiro lugar com o próprio bolso”, resume o engenheiro.

A instalação pode ser feita em estabelecimentos residenciais, comerciais ou industriais, com base no consumo mensal de energia. Prates salienta que o custo de instalação pode ser financiado em até 60 meses. “O mercado está aquecido, e a radiação solar em Valadares é favorável. A cidade é relativamente quente, muita gente tem equipamentos de ar-condicionado e essas pessoas querem reduzir o custo com energia. Os bancos hoje têm linhas de crédito atrativas, financiam 100 por cento do material e da mão de obra. As taxas de juros são bem menores, por ser algo relacionado a sustentabilidade”, destacou.

No campus GV do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), a utilização da energia fotovoltaica já acontece desde 2016, após estudos sobre o tema iniciados em 2014. O responsável pela usina é o professor Valcimar Silva de Andrade, que leciona a disciplina
Recursos Energéticos e é mestre em Engenharia Elétrica. Ele relata que a usina instalada é capaz de gerar aproximadamente 13% da energia do campus. “Em tempos de busca por eficiência – um dos focos da instituição – e cortes de recursos, é um resultado importante. Além disso, os alunos podem ter contato e conhecer sobre essa importante geração distribuída de energia renovável”, afirmou.

O professor acredita que a adoção da energia solar fotovoltaica se tornará ainda mais representativa na matriz energética brasileira. “Além disso, a cadeia de produção, instalação e manutenção desses sistemas contribuirá e muito para geração de emprego e renda. Temos um país tropical e aproveitamos pouco esse potencial. Também deveríamos investir na energia solar térmica, mais simples e mais barata, e que pode ajudar a diminuir o consumo de energia elétrica para a obtenção de água quente em residências e indústrias”, disse Valcimar.

por THIAGO FERREIRA COELHO