Carro desgovernado atropela oito pessoas no Nova Vila Bretas

Antônio Pereira, pai de Késia Sudário, olha o sangue da filha que ficou no local e lamenta o ocorrido.Fotos: Angélica Lauriano

Um grave acidente foi registrado na noite de terça-feira, 21, na rua Esperança, no bairro Nova Vila Bretas, deixando oito pessoas feridas. Uma delas continua internada, em estado grave, na UTI da Unimed. A tragédia aconteceu quando a motorista de um Honda Civic perdeu o controle do veículo, subiu na calçada e atropelou o grupo que estava conversando na porta de uma casa. Antes, porém, o carro passou por cima de uma lixeira e de uma moto que estava estacionada na rua. Um bebê de apenas seis meses que estava no colo da mãe saiu ileso. Com o impacto da batida, a criança foi lançada dos braços da mãe, mas foi apanhada no ar por um morador, que também ficou ferido.

A mulher que dirigia o veículo não se machucou e foi localizada pela reportagem do DIÁRIO DO RIO DOCE pouco tempo depois do acidente. Ao ser abordada, a motorista, ainda muito assustada, disse que não estava preparada para dar entrevista, devido ao seu estado emocional. Segundo ficou apurado, a motorista é vizinha das vítimas, é habilitada e está dando todo o apoio aos feridos.

Testemunha da tragédia

Antônio Pereira Batista, que mora no local do atropelamento, chegou a se machucar, e o filho dele, Kawan Pereira Sudário, de 15 anos, teve ferimentos leves. “Estávamos todos aqui sentados, nem deu pra ver o que aconteceu direito; só vi um estouro e muitas pessoas machucadas. Quando olhei, vi minha filha (Késia Pereira Sudário, de 21 anos) caída em uma poça de sangue e que o estado dela não era muito bom. Em seguida, percebi que minha cunhada, Olinda Toledo, havia sido arremessada a uns três metros de distância. Aí, logo percebi que o estado dela era o pior. Aos poucos, as pessoas que foram atropeladas e tiveram ferimentos leves foram se recompondo e percebemos que os casos mais graves realmente eram o da minha filha e o da Olinda.

Antônio conta que a filha de Olinda (Selena Toledo, de 6 meses) estava no colo de uma outra vítima. O bebê chegou a ser arremessado para o alto, mas um homem conseguiu pegar ela no ar e felizmente está bem. No entanto, a mãe dela, que foi levada para o Hospital Municipal e depois transferida para a Unimed, teve de passar por uma cirurgia no fígado na madrugada de ontem (22), e está na UTI. Seu estado de saúde é considerado gravíssimo.

Olinda Toledo é esposa do ex-vereador José Iderlan. Ele foi entrevistado na tarde de ontem pelo DIÁRIO DO RIO DOCE, quando deixava o Hospital da Unimed. Emocionado, contou que o estado de saúde da esposa é grave. “Eu tinha acabado de deixar minha esposa e minha filha na casa da minha irmã, e sai com os meus outros dois filhos. Minutos depois recebi uma ligação informando sobre a tragédia. Conversei com os médicos e, infelizmente, eles disseram que tiveram de reconstruir o fígado da minha esposa. Agora temos que continuar orando e esperar que ela reaja. Tanto eu quanto meus filhos precisamos muito dela ao nosso lado. Tem também a minha sobrinha, que permanece internada no Municipal. Então, realmente não está sendo fácil para nossa família. Orem por nós”, pediu.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar após o acidente, a condutora do automóvel estava sentindo dores nos braços, mas dispensou atendimento médico. Toda a documentação do veículo foi verificada e constatou-se que estava atualizada, conforme determina o Código de Trânsito. O  veículo possui seguro, que foi acionado para a remoção.

As vítimas do atropelamento são: Késia Pereira Sudário, Kawan Pereira Sudário, Antônio Pereira Batista, Marlete Fideliz, Olinda Toledo, Claudione Alves, Claudemir Alves e Selena Toledo.

O DIÁRIO DO RIO DOCE entrou em contato com a assessoria de comunicação do Hospital Municipal, para saber do estado de saúde de Késia Sudário, mas até o fechamento desta edição não houve retorno.

por Angélica Lauriano | angelica.lauriano@drd.com.br