Amor Exigente | Padre Haroldo Rahm – Um século dedicado ao próximo

659
FOTO: Divulgação.

Uma vez por semana os membros do Grupo Amor Exigente realizam uma reunião, onde partilham as atividades daquele período – o relacionamento com os filhos, com o cônjuge, e a percepção de si mesmo, dentre outros. Com essa metodologia, todos têm a oportunidade de observar se estão praticando os ensinamentos do Amor Exigente, através dos Princípios de Vida que esse grupo propõe.

É comum ouvir relatos emocionantes de pessoas que dizem ter redescoberto o prazer de viver quando passaram a frequentar os Grupos de Amor Exigente. Antes não sentiam o seu corpo, a visão era nebulosa, movimentar-se requeria um grande esforço físico, que as fazia acomodar-se, esperando que o tempo passasse logo, para começar um outro dia, na esperança de que houvesse alguma mudança naquela rotina. Estavam, na verdade, caminhando para a depressão…

O motivo de todo esse quadro desolador, muitas vezes, nem tinha origem nas situações vivenciadas pela própria pessoa, mas de outro, de um terceiro, um familiar, filho, marido, esposa, que estava abusando de álcool ou outras drogas, que perdera o controle desse uso, e que vinha causando balbúrdia na família, às vezes expondo todos à intervenção constrangedora da polícia, que é das maiores incidências de justificativas das pessoas que procuram o grupo.

Ao relembrar a fisionomia dessas pessoas nas primeiras reuniões do grupo, o que se vê são rostos apagados, desanimados, pedindo socorro, clamando por uma luz naquele túnel que não tinha fim.

E eis a grande descoberta – ao adentrar a sala, o visitante se deparava com a mensagem de que “Se eu não mudar, nada mudará”. Era a provocação para ele se abrir, contar a sua história aos ouvidos acolhedores que o recebia como a pessoa mais importante naquele ambiente, com a segurança de que “o que se ouve ali, o que se diz ali e o que se vê ali, ali permanece”.

Abrindo-se a reunião, é invocada a Oração da Serenidade, que diz:

Coloco a minha mão na sua, uno meu coração ao seu, para que juntos possamos fazer aquilo que sozinho eu não consigo. Concedei-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso e sabedoria para distinguir umas das outras. Força, fé, alegria.

Assim começa a caminhada de mudança de vida de mais um visitante do Amor Exigente, esse grupo maravilhoso, que tem resgatado vidas, que funciona em GV desde 1994, implantado pelo casal Washington J. Ferreira/Penha, e que chegou ao Brasil trazido pelo padre Haroldo Rahm, no começo dos anos oitenta.

Aproveitando a oportunidade, queremos homenagear esse padre Jesuíta, que, no próximo dia 22 de fevereiro deste ano de 2019, completa 100 anos de idade, de muita dedicação ao próximo, cuja vida se mistura com a história do Amor Exigente.

Rememorando a criação desse Projeto de Vida, por volta dos anos 70 surgia nos Estados Unidos o Toughlove, movimento liderado por David e Phyllis York, um casal de americanos que tinha três filhas, todas envolvidas com drogas.

Era, de certa forma, um movimento reacionário contra a linha extremista de liberalidade e exageros na valorização da criança e do adolescente, que ocorria naquele país. A maioria dos profissionais da psicologia culpava os pais por todos os desmandos dos jovens, que vivenciavam um sentimento de desamparo e confusão. O movimento rapidamente se fortaleceu, foi transformado em livro e rompeu as fronteiras americanas.

Padre Haroldo J. Rahm, jesuíta nascido no Texas – EUA, já naturalizado brasileiro, morando no Brasil desde 1964, mantinha em Campinas, SP, uma comunidade terapêutica para a recuperação de dependentes de álcool e outras drogas. Em 1984, ao tomar conhecimento dessa proposta americana, imediatamente adotou-a na sua instituição.

Em 1987, Mara Sílvia Carvalho de Menezes, à frente do movimento, adaptou o Amor Exigente – AE ao contexto brasileiro. O formato americano trabalhava com 10 Princípios, aos quais foram acrescentados mais 2 na versão brasileira. O projeto se espalhou Brasil afora, e atualmente há em torno de 10 mil voluntários em mais de mil grupos instalados no nosso país, 14 no Uruguai e 1 na Argentina.

Atualmente, os 12 Princípios do Amor Exigente são: 1. Raízes Culturais; 2. Os pais também são gente; 3. Os recursos são limitados; 4. Pais e filhos não são iguais; 5. Culpa; 6. Comportamento; 7. Tomada de Atitude; 8. Crise; 9. Grupo de Apoio; 10. Cooperação; 11. Exigência e Disciplina; 12. Amor.

por Heldo Armond

Grupo de Apoio Amor Exigente | Coordenação Local: Berta Teixeira Rodrigues
Coordenação Regional: Washington J. Ferreira/Penha
Reuniões às terças-feiras, das 19h30 às 21h30, no
Colégio Franciscano Imaculada Conceição