Amigos e familiares se despedem de Edvaldo Soares Filho

365
Um culto de corpo presente foi realizado na Igreja Batista Esplanada. Durante toda a manhã de sexta-feira (13), o velório foi realizado no estádio do Democrata

Parentes, amigos, ex-dirigentes e ex-jogadores prestaram a última homenagem ao esportista Edvaldo Soares Filho, 42 anos, engenheiro, empresário e vice-presidente do Esporte Clube Democrata. Ele morreu na tarde de quinta-feira (12), devido a uma infecção, após uma cirurgia de hérnia. O velório aconteceu na sede do Democrata, e depois seguiu para a Igreja Batista do Esplanada. O sepultamento foi por volta das 17h30, no Cemitério Santo Antônio, em Valadares.

Conhecido carinhosamente como Pimpo, Edvaldo era um apaixonado pelo esporte, sempre envolvido com ações sociais e com grandes histórias com a torcida do Democrata. Edvaldo deixa a esposa e dois filhos. Segundo familiares e amigos, Edvaldo passou por uma cirurgia de hérnia na quarta-feira (11). Na quinta (12) retornou para o hospital sentindo dores, mas sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

Em entrevista ao DIÁRIO DO RIO DOCE, Edvaldo Soares, pai do dirigente e que já presidiu o clube, falou sobre a perda e a paixão do filho pelo Democrata: “Difícil explicar agora o que estou sentindo. É muito triste. Mas ver todas essas pessoas que vieram aqui se despedir dele é a prova de que era uma pessoa muito querida por todos. Todo lugar que ele passava só deixava alegria. Meu companheiro, meu parceiro, meu braço direito e torcedor número 1 do Democrata”, disse.

Transtornado, assim como todo o restante da família, Edvaldo Soares agradeceu os momentos de homenagens, que aconteceram durante o velório. Uma das homenagens foi da torcida organizada Pantera Cor de Raça, que cantou o hino do clube.  “Ele gostava do que fazia. No tempo em que ficou como dirigente do clube, foi mais torcedor do que diretor. Amava aquela instituição e dizia que o maior patrimônio do clube era sua fanática torcida. Muito obrigado a todos pelas homenagens prestadas aqui hoje”, agradeceu.

Saudades

A manhã do dia 13 de setembro se mostrou triste para todos aqueles que tiveram a oportunidade de desfrutar do convívio de Edvaldo Soares Filho, o Pimpo. Morreu jovem, aos 42 anos, e deixou um legado de solidariedade e paixão pelo Democrata. O hall do Estádio José Mammoud Abbas, o glorioso Mamudão, local de muitas alegrias, ficou ontem em silêncio devido à perda do seu torcedor número 1. Amigos e parentes vieram de longe para se despedir de Edvaldo. Os padrinhos, o ator Tony Ramos e a esposa Lidiane Barbosa, também compareceram ao velório.

A diretoria do Democrata decretou luto no Mamudão. O rival, Valadares Esporte Clube (VEC), também lamentou a perda em suas redes sociais.

“Edvaldo Filho representou a garra do esporte valadarense. Acompanhamos seus passos por Valadares e pelo Brasil em defesa do Esporte Clube Democrata. Sempre foi um dirigente e um torcedor alvinegro fervoroso. Edvaldo foi nosso vice-presidente na Associação Valadarense de Defesa de Meio Ambiente (AVADMA), onde lutava em defesa do meio ambiente como poucos. Além de defender diariamente o nome do Democrata, ocupava-se em sua empresa, onde o verde sempre predominava. Edvaldo foi um guerreiro, um cidadão politizado e preocupado com o social. Sempre se dedicava e se preocupava em ajudar os mais simples. Esse jovem empresário e cidadão valadarense de coração não deixa uma lacuna, ele deixa um abismo que desde então o separou deste mundo para a áurea divina. Foi um grande pai. Todos presenciavam seu carinho com a família. O tempo todo Edvaldo sempre foi alegre e brincalhão. Fará muita falta sim, para sua família e familiares, mas com certeza sua partida deixa órfãos inúmeros amigos, que jamais esquecerão seus dias aqui na terra”, Albino de Oliveira, amigo pessoal de Edvaldo.

“Pantera Cor De Raça recebe esta notícia que ainda está nos abalando muito. Pessoa ímpar e de grande coração. O seu cargo de vice e muitas vezes de presidente da nossa gloriosa Pantera não o fazia melhor que os demais. Tratava todos com o mesmo respeito e tinha em nós maior patrimônio do Clube; nosso torcedor ilustre na arquibancada. Descansa em paz, amigo”, Sinval Borges, presidente da Pantera Cor De Raça.

“Sentindo-me muito triste com a perda. Perda de um amigo, cara do bem, que nos momentos de oscilação da nossa luta no Democrata, sempre colocou todos nós para cima com suas ideias e muitos pensamentos positivos. Todos nós sentiremos muito a usa falta, meu amigo. Descansa em paz, guerreiro”, Gilmar Estevan, ex-técnico do Democrata.

“A perda do Pimpo é irreparável. Era uma pessoa que vestia a camisa da Pantera. Amado pelos muitos amigos conquistados na sua atividade profissional como agrônomo e empresário, no convívio social e no melhor palco de sua vida, o Estádio José Mammoud Abbas. Ver os bravos torcedores da Pantera Cor de Raça vestidos com a camisa da torcida no velório, no templo da Igreja Batista da Esplanada, os mascotinhos, a bandeira do nosso clube, dá uma tristeza desmedida. As lágrimas na despedida do nosso amigo Pimpo. Obrigado, meu amigo”, Tim Filho, assessor de imprensa do Democrata e amigo.

por Eduardo Lima