Concurso Literário de Redação e Poesia tem número recorde de participantes

A segunda edição do concurso contou com mais de 1.600 inscrições da sociedade valadarense, além de alunos de escolas municipais, estaduais e particulares - três vezes mais do que a primeira edição

Nos dias de hoje, muito se cobra honestidade por parte de quem se encontra no poder, sejam políticos ou empresários, dentre outros. Mas essa palavrinha, que parece estar em extinção, envolve não só desvio de dinheiro público e promessas não cumpridas. Apropriar-se de objetos ou coisas que não são suas, utilizar vagas destinadas a idosos ou deficientes físicos e furar filas também são exemplos de falta de honestidade.

A fim de estimular o comportamento íntegro, honesto, justo e respeitoso dos cidadãos, levando-os à reflexão e à mudança, por meio da educação, a Prefeitura de Valadares lançou, em setembro deste ano, o projeto “Cidadão consciente: sou honesto, sou do bem”, desenvolvido pela Controladoria-Geral em parceria com a Academia Valadarense de Letras (AVL), Centro Cultural Nelson Mandela, Secretaria Municipal de Educação (SMED) e Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Juventude (SMCEL).

Além de palestras em instituições de ensino estaduais, federais e particulares, entidades e associações e atividades educacionais nas escolas municipais, o projeto contempla o Concurso Literário de Redação e Poesia, que neste ano traz como tema “Honestidade: um dever, uma virtude”. Em sua segunda edição, o concurso envolveu instituições de ensino públicas e privadas do município, além da sociedade valadarense.

Foram mais de 1.600 pessoas da sociedade valadarense, além de crianças e jovens de escolas municipais, estaduais e particulares de Valadares, que colocaram no papel seus desenhos, sonhos e esperança de construir um país e um futuro melhor, com honestidade. Um recorde no número de participação de alunos, tendo em vista que, no ano passado, aproximadamente 500 pessoas participaram da primeira edição do concurso, cujo tema foi corrupção.

A instituição com o maior número de estudantes envolvidos foi a Escola Municipal Vicente Petronilho, que fica no distrito de Córrego dos Bernardos, com 250 crianças e jovens participantes. Em seguida, a Escola Municipal Ronaldo Perim, no bairro São Raimundo, com 180 alunos.

Um orgulho para o controlador do Município, Luciano Souto, que esteve na manhã de quarta-feira (13) na Escola Municipal Ronaldo Perim, para conhecer e parabenizar os alunos e profissionais pela participação e envolvimento no concurso. “É emocionante ver a mobilização e a conscientização das instituições de ensino e das crianças e adolescentes sobre a importância da honestidade como um dever, como um preceito basilar da vida humana e uma virtuosa atitude”, declarou.

No primeiro momento, a instituição de ensino foi responsável por desenvolver o tema em questão com os alunos. O passo seguinte era ler e selecionar os melhores trabalhos de cada categoria e inscrevê-los no Centro Cultural Nelson Mandela. Os trabalhos foram encaminhados para a AVL, que vai avaliar e selecionar os vencedores. A lista de vencedores será divulgada dia 2 de dezembro e a premiação acontece no mesmo mês, com medalhas e certificados.

Marli de Oliveira Leite, professora de Português na Escola Municipal Ronaldo Perim, conta que o tema foi de encontro com o trabalho realizado diariamente no colégio, chamado “Espaços que educam”, que neste ano abordou valores como respeito, honestidade, dentre outros. “Através das redações e poesias feitas por nossos alunos, percebemos que eles desejam que a honestidade ultrapasse os muros da escola, e que eles vão levar esse ensinamento para a vida”, explicou.

A redação de Ana Luyza, de 14 anos, foi uma das selecionadas pela equipe da escola Ronaldo Perim como melhor da categoria. “A gente precisa colocar em prática tudo o que escreve na redação ou na poesia, porque são essas atitudes que são capazes de transformar o Brasil. Precisamos parar de reclamar dos políticos, da Lava Jato, do governo e dos outros e fazer a nossa parte, a diferença; inclusive na hora do voto”, esclareceu.

A pedagoga analista da SMED, Marise de Freitas Pena Narch, a professora de Português Marli de Oliveira Leite, a pedagoga Fátima Perim, a vice-diretora da E.M. Ronaldo Perim, Aline Miranda, e a diretora Maria Calil fazem parte da equipe que acolheu os estudantes e abraçou a ideia de participar do concurso.