Geisel avisou

De 1957, representando o Exército no Conselho Nacional do Petróleo, a 1979, quando deixou a presidência da República, o general Ernesto Geisel sempre foi contra a construção do gasoduto boliviano. Anos depois, o cocaleiro Evo Morales, ao sabotar a parceria brasileira, diante da passividade do governo Lula, deu razão ao argumento de Geisel: “E quando aqueles bolivianos fecharem a válvula, o que é que eu faço? Mando o Exército lá abrir?”

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos |  www.diariodopoder.com.br