Chuva: Defesa Civil garante que não há risco de enchente nas próximas 24h na cidade

As fortes chuvas do fim de semana deixaram o mergulhão da avenida Minas Gerais inundado mais uma vez

A chuva veio forte no fim de semana em Valadares e pegou muita gente de surpresa. No domingo, 30, quem passou pelas ruas da cidade ficaram assustadas com o cenário de devastação. Árvores caíram, muros desabaram, ruas ficaram inundadas, casas foram interditadas, o córrego do Onça transbordou e o viaduto na avenida Minas Gerais ficou inundado. O Corpo de Bombeiros registrou mais de 50 ocorrências na cidade e região. A estimativa de chuva para o fim de semana era de 30 milímetros, porém, um deslocamento de massas (tromba d’água) fez com que chovesse 100 milímetros em 4 horas na cidade. Mesmo com tantas ocorrências não foi registrada nenhuma morte. O coordenador municipal de Proteção e Defesa Civil de Valadares, Adelson Ferreira Bento, informa que não há riscos de enchente nas próximas 24 horas. “Fizemos contato com os órgãos que monitoram o clima e o rio Doce (CPRM, Clima Tempo e Cemig), há previsão de até 7 milímetros de chuvas para hoje, 1º. Para os próximos dias, a tendência é que o tempo comece a estabilizar. As previsões estão sujeitas a rápidas modificações que ocorrem por diversas influências do sistema climático em nossa região. Os índices de acertos são em torno de 80% a 90%”, explica Adelson.

No domingo, 30, foi dia de calcular os estragos e reconstruir os locais danificados. Os bairros que mais registraram ocorrências por causa das chuvas foram: Nova Santa Rita, Morada do Vale, Altinópolis, Lagoa Santa, Turmalina, Nossa Senhora das Graças e o Centro de Valadares. “A população de Valadares pode ficar tranquila, nós da Defesa Civil em parceria com o Corpo de Bombeiros estamos monitorando o rio, fazendo as interdições nos locais necessários. Os serviços de reparo nas ruas da cidade já começaram, tudo para levar segurança e informação à população de Valadares e região”, ressalta Adelson.

As chuvas do fim de semana causaram um cenário de devastação.
Árvores caíram, muros desabaram, ruas ficaram inundadas, casas foram interditadas, o córrego do Onça transbordou e o viaduto na avenida Minas Gerais ficou inundado. FOTO: Rodrigo Higino

O nível do rio Doce na manhã de ontem estava em 1,18 metro e as vazões de água em toda a bacia do rio Doce são passageiras e em regressão nos principais reservatórios, o que afasta o risco de enchente nas próximas 24 horas. A Defesa Civil mantém as vistorias nas áreas de riscos afetadas pelas chuvas. A população deve ficar em alerta e qualquer ocorrência pode ligar para a Defesa Civil (199) ou para o Corpo de Bombeiros (193).  

Angélica Lauriano | angelica.lauriano@drd.com.br