Questão sagrada

FOTO: Divulgação

Apertada com doenças na família e dívidas de campanha, em fevereiro de 1990 já fazia um ano e meio que a então vereadora petista Irede Cardoso não pagava o “dízimo” cobrado pelo PT. Sem conseguir parcelar o débito, Irede propôs entregar uma máquina de escrever como pagamento. A oferta foi prontamente recusada pelo tesoureiro do PT paulistano, Sílvio Pereira: “A questão financeira é sagrada no PT. É um dos nossos poucos dogmas.” Quinze anos depois, Sílvio “Land Rover” Pereira seria protagonista de um dos primeiros dos muitos escândalos de corrupção no governo Lula.