‘Coronel’ cerimonioso

Eleito senador, o tucano Tasso Jereissati tentava definir seu gabinete, no início de 2003. Levado a conhecer um gabinete típico, na Ala Teotônio Vilela, se espantou com as dimensões modestas: “É assim? A pessoa passa pela secretária e dá de cara com o senador?”

“É assim mesmo, senhor”, respondeu o funcionário do Senado.

Tasso preferiu um gabinete mais amplo no 11º andar do anexo, onde ficou até deixar o mandato. Após voltar ao Senado, ocupou o 14º andar. Para o visitante chegar a ele, precisa passar por quatro pessoas, incluindo atendentes, a secretária e o assistente.

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos | www.diariodopoder.com.br