“Botamos um elefante para voar”

FOTO: Divulgação

Ministro Paulo Guedes (Economia) sobre leilão de campos de petróleo do pré-sal

Líder pede adiamento de taxação da energia solar

Líder do governo no Senado, Eduardo Gomes (MDB-TO) enviou ofício à “agência reguladora” da energia elétrica (Aneel) em tentativa de, pelo menos, adiar o golpe da taxação sobre os consumidores que decidiram investir na geração de energia solar. No documento, Gomes demonstra preocupação do Congresso com a apressada consulta pública da Aneel e pede mais tempo para obter subsídios e informações adicionais.

Decisão açodada

O documento, assinado por outros senadores, afirma que o prazo dado pela Aneel não ficou condizente com a complexidade do tema.

Descentralização

Gomes pede realização de audiências públicas regionais para que as modificações incluam especificidades das diferentes áreas de geração.

Parceria maléfica

Como esta coluna revelou, a Aneel tinha seis opções de mudanças e optou pela mais prejudicial a consumidores e benéfica a distribuidoras.

Equilíbrio

O diretor da Aneel, Rodrigo Limp, garante que “vai buscar com diálogo uma posição de equilíbrio” para as novas regras.

Agências de risco devem rever nota da economia

O novo pacote de medidas enviado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro ao Congresso, a reforma da Previdência e a recuperação do nível de emprego deixaram economistas otimistas. A expectativa é que as principais agências de classificação de risco (Standard&Poor’s, Fitch e Moody’s), que estão atentas às mudanças promovidas pelo governo e fundamentos econômicos, devem elevar, em breve, a nota do Brasil.

Outros aspectos

Para o professor do Ibmec, Walter Franco, os níveis históricos de juros e inflação são bons indicativos. “Está na hora de rever a nota”, disse.

Déficit menor

O novo leilão de petróleo do pré-sal, apesar da pouca concorrência, arrecadou R$ 70 bilhões e dará certo alívio às contas públicas.

Bolsa ajuda

Franco também cita o nível da bolsa de valores para evidenciar que as ações das empresas brasileiras são vistas como bons investimentos.

ONG lucrou com corrupção

Ao votar, ontem, o ministro Gilmar Mendes (STF) disse que a “grife” Transparência Internacional lucrou com a corrupção no Brasil. A ONG estrangeira assumiu a gestão de fundo da J&F de R$ 2,3 bilhões como parte do acordo de leniência da empresa alvo da Polícia Federal.

Hacker Supremo

O Supremo Tribunal Federal utilizou trechos dos supostos vazamentos de mensagens da força-tarefa da Lava Jato para justificar o fim da prisão após a segunda instância. É o Hacker Supremo.

Mais mudanças

A transferência da Secretaria (ex-Ministério) da Cultura ao Ministério do Turismo marca importante passo da minirreforma ministerial pretendida pelo governo Bolsonaro. As mudanças não devem parar por aí.

Participação evangélica

A bancada evangélica no Congresso pleiteia uma participação maior na Esplanada de Jair Bolsonaro. Segundo fontes próximas ao Palácio, o presidente teria se comprometido a ceder duas pastas à bancada.

Governo = despesa

Segundo o Plano Mais Brasil, do Ministério da Economia, a despesa total do governo corresponde a mais de 49% do PIB desde 2015. Em 2018, o custo do Estado equivaleu a 49,2% de tudo produzido no país.

Brasil e Alemanha

A segurança de barragens será tema de um seminário internacional no TCU nos dias 11 e 12 de novembro, que terá envolvimento da Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável.

Gregos poluidores

Em 1975, o navio grego Epic Colocotronis derramou 18 milhões de galões de óleo perto de Porto Rico. O grego Atlantic Empress despejou 42 milhões de galões em 1979. Em 1980, o Irenes Serenade: 6 milhões de galões. Todos estão entre os 50 maiores derramamentos da história.

Tudo pela folga

Uma estranhíssima discussão entre os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, ontem, culminou com a decretação de megaferiadão no STF. Já que o seminário dos BRICS poderia submeter funcionários da Corte à revista de segurança, dias 13 e 14 serão “ponto facultativo”.

Pensando bem…

…por pouco o feriado de sexta (15) não se transformou em outra folga de semana inteira no serviço público. Faltou só segunda e terça.