Lesão de Fernandinho atrapalha mudanças de Tite na seleção brasileira

0
386
FOTO: Divulgação

A lesão que tira Fernandinho do treino de ontem, na Arena Corinthians, pode ser um obstáculo em uma eventual mudança de time na seleção brasileira. Sem jogar na véspera, ele dificilmente terá condições de iniciar entre os 11 hoje, contra o Peru, pela terceira e decisiva rodada da fase de grupos da Copa América. O meio-campista era uma das opções para melhorar a circulação de bola.

A comissão técnica enxerga no volante do Manchester City um jogador capaz de ser o primeiro volante no lugar de Casemiro e ainda podendo ocupar a vaga de segundo volante. A avaliação inicial é que a bola ainda não circula como deveria. Com Arthur, houve evolução, mas ainda há a necessidade que ele tenha mais presença de área após os bons passes em profundidade.

Vale lembrar que Tite passou a usar esse sistema no segundo tempo do amistoso de março contra a República Tcheca, quando o time jogou no 4-2-3-1 e conseguiu a virada após um péssimo primeiro tempo. Depois disso, escalou a equipe assim contra Qatar e Honduras e nas duas partidas da Copa América.

Na avaliação da comissão, Allan poderia ser uma das opções para o meio, mas a presença dele entre os 11 dificulta a subida dos laterais, especialmente a de Daniel Alves.

Além dessas dificuldades, Tite precisa lidar com a fase não tão boa de Philippe Coutinho. Apesar dos gols de pênalti e outro de cabeça nos últimos jogos, ele ainda não consegue destaque com a função que o time precisa, sendo um meia mais centralizado e com a função de distribuir bolas. Seu melhor momento nesta função foi contra Honduras. Antes, no esquema antigo, ele jogava mais aberto.

Seu substituto imediato é Lucas Paquetá, mas há alternativas. Uma das opções seria escalar Roberto Firmino mais recuado, com Gabriel Jesus fazendo a função de camisa 9. Pelas pontas, Richarlison, David Neres e Everton brigam por duas vagas, com Willian correndo por fora. A partida começa às 16h.

por BRUNO GROSSI, DANILO LAVIERI, MARCEL RIZZO E PEDRO LOPES UOL/FOLHAPRESS