“Volto à atividade 100% depois dos Estados Unidos”

FOTO: Divulgação

Presidente Jair Bolsonaro ao retornar a Brasília, após a cirurgia a que se submeteu

 

Fundo Eleitoral repõe bilhões que a Lava Jato tirou

A minirreforma eleitoral, que o Senado deve votar nesta terça (17), é a reação dos políticos para repor a montanha de dinheiro que a cada eleição tomavam de empresas fornecedoras do governo. A investida do Congresso diretamente no bolso do contribuinte, sem a intermediação de empreiteiras, começou no auge da Lava Jato, quando o acintoso Fundo Partidário saltou de R$ 308,2 milhões, em 2014, para R$ 811,3 milhões, em 2015, enfiados goela abaixo do país. Era só o começo.

Fundo Sem Vergonha

O Fundão Eleitoral de 2018 foi de R$ 1,7 bilhão, mas políticos tentam incluir no Orçamento previsão de até R$ 3,7 bilhões para a eleição 2020.

Nunca ousaram tanto

Vítimas da corrupção, os brasileiros terão de pagar as multas e até os advogados de políticos pilhados em vigarices gerais.

Ressurge o caixa 2

Com o Fundo pagando até advogado de candidato, vão se multiplicar casos de superfaturamento de honorários para o “caixa 2” da clientela.

Vai ser uma festa

A minirreforma autoriza partidos a fazer negócios como comprar sedes, aviões, carros, o que quiserem, com o dinheiro público do Fundo.

CPI: ONGs chegaram a receber R$ 1 bilhão por ano

Senadores articulam uma nova CPI para investigar a paixão das organizações não governamentais (ONGs) pelo dinheiro… do governo. Não é a primeira vez que essas entidades são alvo de investigação: em 2006, o Senado instalou a primeira CPI das ONGs proposta pelo então senador Heráclito Fortes. Acabou em pizza, mas ao menos descobriu que as ONGs tomavam do governo federal mais de R$ 1 bilhão por ano.

O seu, o nosso

A CPI das ONGs investigou repasses de 2001 a 2006. Só para ONGs batizadas de “associações” e “institutos” foram mais de R$ 5 bilhões.

Quase o triplo

O total apurado pela CPI do faturamento de entidades privadas “sem fins lucrativos”, segundo o Siafi, foi de R$ 13,7 bilhões.

Caixa-preta e lacrada

A CPI foi enterrada pelo PT e aliados, que protegiam as ONGs. Eram tempos dos muitos roubos que a Lava Jato descobriria depois.

Caravelas queimadas

O senador Major Olímpio (SP) quer ficar no PSL após o veto à sua filiação pelo presidente do Podemos-SP, Mário Covas Neto. Mas pode ter “queimado as caravelas” ao afirmar que Flávio Bolsonaro, contrário à CPI da Lava Toga, e não a senadora Juíza Selma, deve sair do PSL.

Operário padrão

O ministro da Secretaria Geral, Luiz Eduardo Ramos, é o “operário padrão” do governo. Trabalha de sol a sol, monitorando o cumprimento de acordos e nomeações que viabilizaram a reforma da Previdência.

Fim da briga de foice

A posse de Rodrigo Dias encerrou a briga de foice pelo fabuloso orçamento do FNDE, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação: R$ 56 bilhões só este ano. O presidente da Câmara, agora muito cordial em relação a Jair Bolsonaro, apoiou a indicação do xará.

Renovou coisa alguma

Crítico da minirreforma, o senador Oriovisto Guimarães (Pode-PR) acha que é um mito a tal “renovação do Congresso”. Diz que apenas dez dos 81 senadores são de fato estreantes na política, inclusive ele.

Antipatia é quase ódio

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, diz que o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro (Justiça) deve ser votado ainda neste ano, mas não explica o próprio desinteresse por um tema tão caro aos eleitores.

Homenagem em Brasília

O ministro Emmanoel Pereira, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), foi homenageado nesta segunda (6), em Brasília, por sua posse no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle do Judiciário.

Jogando para baixo

O relator da reforma tributária, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), apresenta relatório nesta quarta (18), na CCJ. Se aprovada a reforma, já valerá para o ano que vem. Mas o líder do governo, Fernando Bezerra (MDB-PE), não está nem aí: defende sua votação só em 2020.

Tudo depende

Um dos ministros considerados na minirreforma é o da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Mas tudo depende do sucesso da reforma da Previdência. Caso saia do cargo, Onyx volta ao mandato na Câmara.

Pensando bem…

…nem Mourão achava que ia ser presidente por tanto tempo.