“Seria uma interferência indevida no outro poder”

386
FOTO: Divulgação

Deputado Luciano Bivar (PE), presidente nacional do PSL, sobre a MP da reforma administrativa

No Brasil, 70% rejeitam intervenção na Venezuela

Com o agravamento das tensões na Venezuela, levantamento do Paraná Pesquisa, encomendado pelo site Diário do Poder e por esta coluna, verificou que 70,7% dos entrevistados são contrários a intervenção militar para derrubar a ditadura de Nicolás Maduro. Contra a tradição brasileira de não intervir em assuntos internos de outros países, impressionantes 23,6% dos entrevistados apoiariam a guerra. Aqueles que não sabem ou preferiram não responder somam 5,7%.

Sabedoria da idade

Quanto mais velho o entrevistado, maior a rejeição à intervenção militar brasileira na Venezuela: 79,5% dos que têm 60 anos ou mais.

Todos contra

Homens e mulheres divergem pouco: 66,8% do público masculino recusa a ideia e 74,2% do público feminino também.

No Norte

O maior apoio à ideia de intervenção bélica do Brasil na Venezuela se concentra nas regiões Norte e Centro-Oeste: 30,4% são favoráveis.

Dados da pesquisa

O instituto Paraná Pesquisa entrevistou 2.452 brasileiros acima dos 16 anos de idade, em todos os 26 estados e no Distrito Federal.

Rodrigo assusta governo e provoca saída de líder

O rompimento do presidente da Câmara com o Líder do Governo, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), deu um susto no governo, que teme o agravamento de suas tumultuadas relações com Rodrigo Maia. Por isso o Planalto confirmou logo um nome do “centrão”, José Rocha (PR-BA), para ser vice-Líder do Governo. Sua missão será dialogar com o presidente da Câmara. Saindo-se bem, Rocha será efetivado. E terá à disposição 20 ambicionados cargos para atender o “centrão”.

Precisa de estofo

O cargo de Líder do Governo é o segundo mais cobiçado e importante na Câmara: negocia cargos, emendas e votações importantes.

Cravo e ferradura

Rodrigo Maia se livrou de Vitor Hugo e deu estocada no ministro Onyx Lorenzoni, com quem mantém relação ambígua há vários mandatos.

Dando as cartas

Maia vê sempre piadas contra os políticos, mas nunca se manifestou. A charge de Vitor Hugo foi a senha para mostrar quem manda.

Primo espaçoso

O ministro Sérgio Moro (Justiça) brincou ontem (22), durante entrevista à Rádio Bandeirantes, sobre a foto comprando umas cervejinhas no supermercado, em Brasília. “Era para um primo…”, disse sorrindo.

Antivazamentos

O Coaf implantou um autêntico sistema antivazamento, revelado nesta coluna, ontem, para arquivar e enviar relatórios criptografados sobre movimentações financeiras atípicas. Os destinatários PF e MPF, não.

Aqui não

O deputado André Figueiredo (PDT-CE) pediu a votação de proposta que estende o mandato de prefeitos. Rodrigo Maia avisou que não há clima para a votação. A prioridade é a reforma da Previdência.

Autocrítica

O ex-senador Cristovam Buarque fez uma reflexão sobre aumento da desigualdade de renda no Brasil. “É culpa dos 23 anos de nossos governos. Nós precisamos entender onde erramos”, disse.

Destravamento

O projeto que trata da Lei Geral do Licenciamento Ambiental está prestes a ser destravado na Câmara. O texto que será apreciado levará em consideração o relatório do ex-deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP).

Importante é lucrar

A estatal Petrobras anunciou que vai vender os seus 93,7% na Breitner Energia, que controla termelétricas no Amazonas. A justificativa? “Geração de valor para nossos acionistas”.

Antes do STF

Dos 11 ministros, oito atuaram como procuradores ou promotores antes do STF. Só o presidente do STF, Dias Toffoli, atuou exclusivamente como advogado. Chegou à Advocacia-Geral da União e depois ao STF.

Quem fala?

O brasileiro recebe 37,5 chamadas indesejadas, em média, por mês. É o que mostra estudo da empresa Truecaller na América Latina. O Brasil é um dos países mais afetados por picaretagem via telemarketing.

Pensando bem…

… ao mostrar a charge “ofensiva” a deputados, Vitor Hugo (PSL-GO) se esqueceu de que