Professora e diretora da Escola Realina Adelina visitam escola sustentável no Uruguai

430
As educadoras valadarenses foram conhecer a Escola Jaureguiberry, a primeira escola pública Sustentável da América Latina, da cidade de Canelones

A viagem surgiu a partir do projeto Sala Ecológica, que está sendo construída com garrafas pet

O projeto Sala Ecológica da Escola Municipal Realina Adelina Costa, que consiste em construir uma sala com garrafas pet, está ganhando asas e a professora de artes, Elisângela Martins Andrade, e a diretora, Ivana Maria Maia, viajaram ao Uruguai para conhecer a Escola Jaureguiberry, a primeira escola pública Sustentável da América Latina, da cidade de Canelones. Na bagagem elas trouxeram novidades, experiências e novos olhares para o projeto.

“Estar em uma escola onde as paredes são de pneus, latinhas, e garrafas de vidro revestidas de cimento é ter a certeza de que estamos no caminho certo, que é possível ter em Valadares uma escola sustentável”, dividiu Elisângela que também confessou que seu projeto é pequeno comparado ao que viu na escola sustentável. “Percebi que meu projeto é um grão de areia diante do que podemos fazer. Somos capazes de diminuir o lixo se todos agirem. Olha quantas latinhas de refrigerante são consumidas por dia e que podem ser reutilizadas como material em uma construção.”

A escola sustentável ainda consome o que é produzido dentro da instituição. Fora a construção, a professora e diretora ainda destacaram o sistema de calefação, a produção de frutas, energia solar e, principalmente, o reaproveitamento de água que é reutilizada até três vezes.

Além da diretora da Escola Jaureguiberry, Alicia Alvarez, elas também conheceram o professor Dário Greni, eleito pela Global Teacher entre os 40 melhores professores do mundo em 2018, e a Escola Las Violetas, zona rural de Canelones. Alicia e Dário dividiram experiências do sistema de ensino público uruguaio. “São escolas públicas como as nossas, com uma metodologia de trabalho brilhante com seus alunos, que têm autonomia na forma de falar o que aprendem. A interação com os alunos de lá também foi muito bacana”; relatou a diretora Ivania.

Elisângela destacou outros pontos. “Os professores se doam de corpo e alma as ações da escola. Todas as classes se comunicam entre si. O projeto de um professor tem conhecimento de toda escola, que trabalha em coletivo. Nosso secretário sempre nos fala isso, que precisamos dialogar uns com os outros. Acredito que estamos no caminho certo”.

Durante a apresentação do projeto aos uruguaios, Ivania fez um convite a diretora de Jaureguiberry e o professor Dário. “Nosso projeto foi muito admirado. Convidamos Alicia e Dário para conhecerem o projeto de perto e também nossa escola. Eles mostraram interesse em vir”.

A viagem veio a convite da Cônsul do Uruguai, María Ximena Alvarez, que está acompanhando o projeto desde junho, quando aconteceu a campanha de arrecadação de garrafas pet para a construção da sala. O secretário Municipal de Educação, José Geraldo Lemos Prata, e o prefeito André Merlo custearam as passagens áreas e o Uruguai arcou com o restante das despesas.

Ainda esta semana Elisângela e Ivânia vão realizar uma roda de conversa com a equipe escolar para dividir os momentos marcantes da viagem.

Projeto Sala Ecológica

A sala está sendo construída com uma base de concreto para sustentação e as paredes são de garrafas pet preenchidas de areia e argila. O chão será de tampinhas de garrafas e pedras da cachoeira, revestido por porcelanato liquido. A previsão para a inauguração é novembro deste ano.