Produtores culturais apoiam o Carnapina e reclamam das dificuldades de realizar eventos

"Esbarramos todos os dias na burocracia para tentarmos trazer para a cidade eventos culturais", explica Getúlio Foca .FOTO: Arquivo Pessoal

A notícia do cancelamento do Carnapina, tradicional Carnaval fora de época que há nove anos vem movimentando o bairro Carapina, trouxe decepção para os foliões e moradores do local. Os organizadores alegam ter estrutura para a realização do evento, mas, diante de uma verificação do Corpo de Bombeiros, o evento foi cancelado e considerado uma “tragédia mais que anunciada”. O cancelamento vem causando inúmeras mobilizações nas redes sociais, com mensagens comentando que Valadares é uma cidade carente de eventos culturais e ao fim de cada postagem as pessoas escrevem #lutocarnapina. O jornal Diário do Rio Doce conversou com alguns produtores culturais e a maioria foi unânime em dizer que os órgãos que deveriam ajudar na realização fazem de tudo para que os eventos não aconteçam. Todos os entrevistados se solidarizam com o Carnapina e estão decepcionados com o cancelamento.

O drama de não realizar um evento foi sentido na pele pela produtora cultural Melissa Meira Vasconcellos. Ela tentou realizar um evento “Movimento Fora do Caixote”, de gastronomia, mas não conseguiu por causa de uma interdição parcial de rua. “Eu já tinha contratado banda, tinha feito tudo, mas a Prefeitura não liberou uma interdição parcial de rua. Foi frustrante, tive prejuízos. A rua era no bairro Esperança e não autorizaram. O sentimento que tenho é de impotência. Valadares é uma cidade carente de eventos. A população anseia por isso; aí, por causa de burocracias, somos impossibilitados de realizar nossos eventos. O Carnapina já faz parte do nosso calendário. O cancelamento de um evento como esse faz a gente retroceder. A impressão que tenho é de que a Prefeitura promove um boicote aos produtores culturais particulares, apoiando só eventos eleitos por ela. Sabe-se lá qual é o critério”, desabafa Melissa.

O produtor cultural Vinícius Santana tentou realizar um evento beneficente na porta do bar dele, no bairro Ilha dos Araújos, e se decepcionou muito. “Hoje me sinto frustrado. Chamam a gente para participar das reuniões da Comissão de Monitoramento da Violência em Eventos Esportivos e Culturais (Comoveec) e, chegando lá, somos surpreendidos com as decisões que eles mesmos tomaram. Simplesmente temos que acatar. Acho que as propostas têm que ser boas para os dois lados, mas infelizmente o nosso lado não está sendo observado. Como uma pessoa que tenta fomentar cultura e lazer nesta cidade, compadeço-me desse sentimento de impotência dos organizadores do Carnapina diante de um poder público cego e completamente alheio aos anseios da sociedade a que serve e é subordinado”.

Para o produtor cultural Getúlio Foca, o cancelamento do Carnapina é triste. Ele sente que é uma retaliação. “Esbarramos todos os dias na burocracia para tentarmos trazer para a cidade eventos culturais. O caso do Carnapina decepciona muito, até porque os moradores de lá têm o seu valor. É uma festa bonita, sem ocorrências, e agora decidem que não vai mais ter o carnaval. Eventos como esses dão trabalho, tem toda uma preparação para fazer. Cancelar não é legal”.

“Sobre a produção de eventos culturais, sempre tive todo o apoio possível da Prefeitura de Valadares, nesta gestão e na anterior,” ressalta Mônica Coelho

A produtora cultural Mônica Coelho nunca teve problemas para organizar os eventos dela na cidade, mas lamenta o cancelamento do Carnapina. “O evento Carnapina é bem organizado; já participo há três anos. Lamentável saber que foi cancelado. Quanto à produção de eventos culturais, sempre tive todo o apoio possível da Prefeitura de Valadares, nesta gestão e na passada”.

Mudança de local é aceita e Carnapina vai acontecer

Antes do fechamento desta edição o Diário do Rio Doce recebeu uma nota da Assessoria de Comunicação da Prefeitura dizendo que o evento Carnapina vai acontecer, mas será realizado na rua Tupinambás, no bairro Nossa Senhora das Graças, e não mais na rua Itanhomi, no bairro Carapina, como de costume.

Nota Prefeitura

“A decisão da troca de local aconteceu na tarde desta sexta-feira, 18, na sede da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Juventude (SMCEL), onde estiveram presentes o secretário, Carlos Teixeira, o diretor de Cultura, Kevin Figueiredo, e os representantes da organização do evento, DJ Pio e José Carlos dos Santos, mais conhecido como Balu.

O secretário Carlos Teixeira garante que o Município dará todo o suporte para a realização do evento no novo local, como acontece em todos os outros carnavais da cidade. Eles vão precisar adaptar o projeto inicial para o novo local. Mas temos certeza de que vão conseguir fazer tudo em tempo recorde e o Carnapina de 2019 será sucesso, como em todas as outras edições. Já marcamos novas reuniões para a próxima semana e vamos alinhar todos os detalhes. Na próxima quarta-feira, 23, vamos levar à Comoveec essa mudança, para que sejam avaliadas as adequações necessárias, atendendo às normas de segurança do evento.”

por Angélica Lauriano | angélica.lauriano@drd.com.br