Polícia Civil conclui inquérito de acidente que matou jovem valadarense em 2018

Delegada Verenna Veloso descreveu detalhes do caso na manhã de terça na 8ª Risp

A Polícia Civil em Governador Valadares, por meio da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (DEAME), concluiu o inquérito que apurou o acidente de trânsito que resultou na morte do jovem Yusley Christian Pereira da Silva, de 23 anos, no dia 2 de setembro de 2018, na avenida Tancredo Neves, no bairro Santa Helena. Marcos Júnior, 29 anos, foi indiciado por homicídio doloso, por conduzir veículo sem habilitação, e com o agravante de estar dirigindo embriagado. A família de Yusley cobra justiça no caso.

Em coletiva de imprensa na manhã de ontem, na 8ª Região Integrada de Segurança Pública (Risp), a delegada Verenna Veloso informou que o inquérito já foi encaminhado à Justiça. Depoimentos e perícias que fazem parte do inquérito confirmam a autoria do acidente. Ainda, imagens de circuito de segurança flagraram o momento exato do acidente, quando o condutor do veículo de passeio invadiu a contramão de direção e bateu frontalmente contra a motocicleta em que estavam Rogério Dias da Silva, de 47 anos, e Yusley Christian Pereira da Silva, que morreu dias depois. Rogério e o filho Yusley estavam a caminho do bairro São Pedro, para um jogo de futebol.

O condutor do automóvel, Marcos Júnior, fugiu do local do acidente sem prestar socorro, mas foi localizado pela Polícia Militar e conduzido à Delegacia de Polícia Civil, onde foi ratificado o flagrante, e em seguida levado ao Presídio. Segundo a polícia, o condutor apresentava sinais visíveis de embriaguez, não possuía habilitação e o veículo que conduzia foi apreendido por não estar devidamente licenciado. Marcos Júnior está solto, aguardando julgamento.

A delegada Verenna Veloso, responsável pelo caso, falou sobre o inquérito policial. “A delegacia que apura os crimes de trânsito conseguiu obter imagens, que foram necessárias para a perícia verificar a situação do local do acidente, e foi mostrado claramente que o condutor invadiu a contramão na via”, informou.

Para a delegada, Marcos Júnior assumiu os riscos de provocar o acidente ao dirigir de forma imprudente e em desacordo com a lei. “Queremos deixar claro que a gente conseguiu reunir durante o transcorrer das investigações várias informações de que o acidente não se trata apenas de uma embriaguez. A gente consegue enquadrar esse caso em homicídio doloso no código penal, porque o condutor, ao estar embriagado e sem habilitação, assume o risco de tirar uma vida. Além disso, vai responder por lesão corporal gravíssima, causada ao pai da vítima, e por omissão de socorro”, disse.

Família cobra justiça

Procurado pela reportagem do Diário do Rio Doce, Rogério Dias da Silva disse que um advogado está acompanhado o caso. “É um sentimento de revolta e sede de justiça, decepção com nossas leis, que são falhas. São muitos sentimentos que não consigo descrever agora”, contou o pai.

por Eduardo Lima