Parlamentares sugerem que Hospital Regional seja administrado pela prefeitura

0
394

A obra do Governo de Minas é o maior investimento público járealizado em Valadares. Seriam gastos R$ 120 milhões, e o hospital deveria terficado pronto no segundo semestre de 2015

As obras do Hospital Regional de Governador Valadares começaram em 2013 e tinham data de término prevista para setembro de 2015. Durante a gestão do governo Antonio Anastasia (PSDB), as obras seguiram em ritmo acelerado. No último mês do governo, em dezembro de 2014, mais de 75% das obras já estavam concluídas (período de 21 meses). No entanto, o governador Fernando Pimentel (PT) não deu sequência aos trabalhos da gestão anterior e determinou que as obras fossem paralisadas em fevereiro de 2015. Agora para 2019 a população espera que algo seja feito pelos novos parlamentares e que este sonho do Hospital Regional vire realidade em Valadares. No último dia 19, dia da diplomação dos eleitos, o DIÁRIO DO RIO DOCE conversou com alguns parlamentares sobre a retomada das obras do hospital e todos afirmaram que esta será uma das promessas de campanha que vão ser cumpridas, porém, eles devem sugerir algumas parcerias para a administração do Hospital Regional.

Em fevereiro de 2015, o atual governo de Minas, liderado porFernando Pimentel (PT), ordenou a paralisação das obras do Hospital Regional deGovernador Valadares. As obras, que já estavam com mais de 75% dos trabalhosconcluídos, agora não têm data para serem retomadas. Na tentativa de justificara paralisação das obras, o governador alegou na época que o orçamento não haviasido votado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Quase quatroanos se passaram depois da paralisação das obras e nada foi feito. A esperançaagora está nas mãos dos novos eleitos. O deputado federal Mário Heringer (PDT)explica que Valadares é a cidade mais importante no comportamento político, eque o Hospital Regional é prioridade, porém, o Estado está falido.

Deputado Mário Heringer e o senador Carlos Viana acreditam que o problema
não é apenas concluir as obras do hospital, mas o seu custeio quando ele
entrar em operação: FOTO: Raimundo Santana

“Para que o Hospital Regional aconteça nós temos que fazer uma escolha. Primeiro, que o hospital é um presente para a cidade, porém, se não tiver o dinheiro do custeio da manutenção, não tem cidade que aguente. Nós sabemos que o Hospital Municipal de Valadares tem uma despesa mensal de 11 milhões e não tem como encampar um Hospital Regional, então, há necessidade de se fazer uma composição e um ajeitamento para que isso funcione. Que fique claro que não tem recurso para fazer isso, então, temos que saber que o novo governo que está entrando vai ter que “virar dinheiro”, porque o Estado está quebrado e está quebrando as prefeituras”.

ParceriasO senador CarlosViana (PHS) também se manifestou a favor do Hospital Regional, porém, eleacredita que o término das obras só acontecerá caso ocorram algumas parcerias.”A questão do Hospital Regional nós vamos ter que definir primeiro qual omodelo de gestão do hospital que nós queremos. Valadares gasta em torno de 11milhões de reais com o Hospital Municipal da cidade e o custeio do HospitalRegional depois de pronto vai ficar em torno de 15 milhões, então, a pergunta éa seguinte: por que nós não podemos fazer com que este Hospital Regional sejaassumido pela prefeitura, o restante pelo governo do Estado, governo federal ea Universidade Federal de Juiz de Fora? A UFJF tem um câmpus avançado em GovernadorValadares, podendo assumir como sendo hospital escola, para o treinamento dosnovos médicos. Esta discussão nós vamos levar para o ministro da Educação apartir de fevereiro. Há uma abertura muito grande para que a gente possaconseguir, e eu também estou muito otimista, mas primeiro nós temos que definirqual o modelo de gestão para o Hospital Regional; o que nós queremos. A comprade equipamentos está fácil de resolver, mas depois ele vai custar 15 milhões dereais por mês”

por Angélica Lauriano  | angelica.lauriano@drd.com.br