Operação ‘Rota 33’ é deflagrada na cidade pela Polícia Civil

A “Operação Rota 33” tem o objetivo de combater o tráfico de drogas no Leste de Minas e no Espírito Santo. De acordo com o delegado Márdio Bento Costa, primeiro da esquerda para a direita.FOTO: Polícia Civil

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Tóxicos em Governador Valadares, desencadeou na manhã de quarta-feira, 13, a “Operação Rota 33”. O objetivo é combater o tráfico de drogas no Leste de Minas Gerais, com ramificação no estado do Espírito Santo, praticado por membros de uma organização criminosa que estaria devidamente estabelecida no Triângulo Mineiro.

Após um ano de investigações, a Polícia Civil representou 24 mandados de prisão preventiva, 24 mandados de busca e apreensão domiciliar, 14 mandados de busca e apreensão de veículos, bloqueio de valores monetários de seis contas bancárias identificadas e utilizadas para a prática dos delitos e o bloqueio de valores monetários de 25 investigados, considerando-se pessoas físicas e jurídicas.

Durante as investigações, a equipe da Delegacia de Tóxicos conseguiu apreender cerca de 270 quilos de maconha, 43 quilos de pasta base de cocaína, 4 veículos automotores, R$ 8.000,00 em espécie, além de sedimentar diversos elementos de provas objetivas e subjetivas.

Verificou-se, ainda, que a referida organização seria chefiada pelo investigado E.L.N., de 29 anos, o qual se valia de diversos comparsas para realizar a empreitada criminosa. Também foi possível constatar que o citado suspeito abastecia os principais traficantes de Governador Valadares e cidades circunvizinhas, além do estado do Espírito Santo.

No curso das investigações foi possível identificar um dos principais fornecedores de drogas do estado de Minas Gerais, alvo de várias instituições policiais. Muitos deles estão estabelecidos no Triângulo Mineiro, localidade conhecida nacionalmente como polo de distribuição de drogas ilícitas em todo país.

Rota especial

Os delegados responsáveis pelas investigações, Cleriston Lopes de Amorim e Márdio Bento Costa, destacaram que o nome da “Operação Rota 33” faz alusão ao fato de a cidade de Governador Valadares ter se tornado uma rota especial e atrativa para o transporte e escoamento de entorpecentes, tendo em vista sua posição geográfica privilegiada, entrecortada por rodovias federais e estaduais.

No total, a referida operação policial viabilizou o cumprimento de 11 mandados de prisão preventiva, três deles na cidade de Ituiutaba; lavratura de autos de prisões em flagrante, pelos crimes de tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo; apreensão de uma pistola 380, além de um revólver calibre 38, munições, drogas ilícitas – maconha, cocaína, crack e ácido bórico -, jóias, numerários, motocicletas, uma caminhonete 0Km. Ainda foram cumpridos 9 mandados de prisão preventiva de investigados que já estavam recolhidos no presídio desta cidade, em decorrência de prisão no curso das investigações pela equipe da Delegacia de Tóxicos. A equipe da polícia também cumpriu 20 mandados de prisão preventiva de integrantes da principal organização criminosa responsável pela distribuição e fornecimento de drogas ilícitas no Leste Mineiro.

A polícia contou com a utilização do canil, que foi fundamental na execução da operação. FOTO: Divulgação.

A “Operação Rota 33” contou com o apoio de aproximadamente 80 policiais civis, suporte operacional da Superintendência de Investigações e Polícia Judiciária da PCMG, com a utilização do canil, 25 viaturas, participação de policiais civis da Delegacia Regional de Ituiutaba, abrangida pelo 9º Departamento de Polícia Civil, consistente no cumprimento de diversos mandados de prisão e busca e apreensão, além do reforço com equipes de policiais civis da Delegacia Regional de Guanhães, do 8º Departamento.

Os trabalhos se deram de forma coordenada e simultânea nas cidades de Governador Valadares, Itanhomi, Frei Inocêncio, Ituiutaba e estado do Espírito Santo, mediante coordenação do chefe do 8º Departamento, Vinícius Sampaio Costa e do delegado regional de Governador Valadares, Fábio Guilherme Barreto Sfalcin.