Nova dupla de zaga do Galo começa bem

0
154
FOTO: Divulgação

O time titular do Atlético neste início de 2019 é, do meio para frente, totalmente formado por jogadores que já vinham jogando no time principal em 2018. Do meio para trás, porém, as mudanças são mais significativas. A dupla de zaga, por exemplo, é totalmente diferente. Em 2018, Léo Silva e Maidana eram os titulares. Em 2019, dois reforços chegaram e assumiram as vagas: Réver e Igor Rabello. E a nova dupla começou bem.

Até aqui, Réver e Rabello fizeram cinco jogos juntos. O Atlético sofreu gols em dois deles (os dois contra o Danubio) e não foi vazado em três (Boa Esporte e os dois contra o Defensor). É claro que o desempenho defensivo não depende apenas dos zagueiros, mas a dupla tem mostrado um desempenho animador. E, claro, deve melhorar com o tempo.

A primeira preocupação era sobre quem teria de atuar pelo lado direito, já que os dois vinham atuando pela esquerda nos seus respectivos clubes. Réver foi deslocado e conseguiu se adaptar muito rapidamente, principalmente nas rebatidas por baixo e pelo alto. Em relação ao entrosamento dos dois, ainda há algumas oscilações, mas é algo que deve melhorar com o tempo, já que treinamento e sequência de jogos são a única maneira de se alcançar isso.

Um dos fatores a ser aprimorado pela dupla é a cobertura dos espaços nas laterais. No jogo contra o Danubio em Montevidéu, por exemplo, o primeiro do Atlético nesta Libertadores, o Galo sofreu dois gols em jogadas criadas pelos lados do campo.

O jogo em que o time esteve abaixo foi contra o Danubio em Montevidéu, principalmente. O time teve dificuldade na marcação pelos lados de campo. Para os zagueiros é importante ter a noção de posicionamento na área nesses casos e cobertura ao primeiro combate dos laterais. Defensivamente, para a primeira linha do Atlético, é o principal ajuste a ser feito a curto prazo, e envolve diretamente a dupla de zaga.

O entrosamento, aos poucos, vai sendo conquistado pela dupla. Igor Rabello lembrou um detalhe: ele e Réver já se conheciam bastante do futebol carioca, já que eram rivais na última temporada. Igor defendia o Botafogo, e o atual capitão atleticano jogava pelo Flamengo.

– A gente já se conhecia do futebol carioca. A gente tem conversado bastante no setor defensivo. Isso ajuda bastante a gente dentro de campo. Não só ali atrás, na linha de quatro, como desde o Ricardo. A gente tem trabalhado bastante no setor defensivo para não tomar gol e sair com as vitórias – analisou.