Central do Assinante







PUBLICIDADE



AS MAIS LIDAS
Página Inicial:: >> Notícias de Valadares e Região >> Abre Aspas >>
sábado, 18 de junho de 2016

‘Temos outras áreas para novos chacreamentos’

Após o sucesso do Chácaras Miúra, o empresário Edvaldo Soares fala sobre o lançamento da segunda etapa do chacreamento e sobre os muitos planos para continuar contribuindo com o desenvolvimento da cidade
FOTO: Antônio Cota
SEGUNDO EDIVALDO Soares os cargos do executivo não deve ser ocupados por políticos , tem que ser por administradores tem que ser bom gestor
GOVERNADOR VALADARES -

O Canal do Empreendedor define como empreendedor de sucesso aquele que, antes de qualquer coisa, tem iniciativa, alguém que vai atrás de soluções, que se antecipa e faz acontecer. Nessa definição o empresário Edvaldo Soares se encaixa como uma luva. Ele, que é valadarense “de nascimento, corpo, alma e coração”, sempre soube aonde queria chegar e, não é à toa, tem resultados positivos em seus empreendimentos.

Ao lançar, em abril, o Chácaras Miúra II, Edvaldo Soares mostrou o sucesso que foi o lançamento do primeiro chacreamento, o ano passado, o qual, além de ser um local privilegiado a apenas 8 km do centro da cidade, tem belas paisagens naturais. Além do sucesso alcançado com seu “lado” empreendedor, Soares também dedica tempo para exercer bem a presidência do Esporte Clube Democrata e outras atividades.

Nesta entrevista, o empresário demonstra seu amor por Valadares e a vontade que sempre teve de ver o crescimento da cidade e de contribuir com seu desenvolvimento, seja de que forma for, na economia ou na política. Foi dele, a propósito, a iniciativa de doar a área para a construção do 'campus da Universidade Federal de Juiz Fora (UFJF). 

DRD — Por que o senhor decidiu sair de Valadares e, depois, por que decidiu voltar?

Edvaldo Soares — Nasci em Valadares e vivi aqui até os 19 anos. Servi ao Tiro de Guerra, depois saí para o Rio de Janeiro. A maioria dos amigos iam pra outros países, eu fui para um pouco mais perto. Fui para poder estudar, para fazer medicina. Só que eu comecei a trabalhar e acabou que a medicina ficou esperando, como está esperando até hoje [risos]. Desde que saí, sempre quis voltar, já saí com essa vontade. Nunca passei 30 dias sem voltar aqui.

DRD — Em apenas um ano, o Chácaras Miúra já está em sua segunda edição. Quais os diferenciais desse empreendimento e por que decidiu atuar no ramo da construção civil?

Edvaldo Soares — Eu comprei umas propriedades rurais em Valadares em 1997. Mas antes quero deixar claro que o período em que morei no Rio de Janeiro — fui pra lá em 1969 e retornei empresarialmente em 97 — tinha na época muita gente vendendo e só eu comprando. Cheguei a pensar: Será que estou ficando louco? Só tem eu comprando. Mas hoje vejo que não. De 97 até o ano passado eu estava investindo mais em agropecuária, depois resolvi reativar a nossa construtora, a Beijo, que na verdade já existe desde 1975, registrada contabilmente desde 1983. O nome da construtora é uma homenagem ao meu pai, Benjamim Soares dos Santos, que tinha o apelido de Beijo. Estamos pegando parte dessas propriedades rurais e as chacreando. As Chácaras Miúra nós lançamos em março de 2015, com sucesso absoluto, e agora, em março deste ano, lançamos as Chácaras Miúra II. Temos ainda outras áreas para lançarmos novos chacreamentos. Ainda temos outras áreas em área urbana em que futuramente vamos fazer loteamento.

DRD — Além do resultado alcançado com esse empreendimento, quais outras atividades o senhor pode destacar em que tenha atuado?

Edvaldo Soares — Sempre fui convidado para exercer muitas atividades que ainda desempenho. Aqui em Valadares, em 2001, fui convidado a participar do Natal GV Sem Fome, que até hoje existe como Associação GV Sem Fome e que contribui com as entidades não só na alimentação, mas em muitas ações sociais. São 37 entidades credenciadas. No Esporte Clube Democrata eu entrei em 2002. O clube não tinha crédito para comprar um palito de fósforo, essa é a verdade. E nós conseguimos fazer o time levantar. Em 2003 fomos campeões de juniores; em 2004 fomos vice-campeões da Taça Minas Gerais; em 2005, campeões do Módulo II, voltando à primeira divisão; em 2007 e 2010, campeões do interior. E, agora, em 2016, fomos campeões do Módulo II, retornando à elite do futebol mineiro. Quando eu assumi, havia muitas ações trabalhistas; nós já pagamos quase todas, faltam aí uma meia dúzia talvez. Queremos um Democrata disputando competições nacionais já a partir do ano que vem, já na Série D, em uma arena multiuso, com um centro de treinamento para podermos preparar nossos atletas. Vamos ter parcerias internacionais com grandes clubes, vamos conseguir isso, para o Democrata caminhar com suas próprias pernas. Eu presidi também a Fundação Percival Farquhar, de março de 2008 até julho de 2014, com o cargo que me solicitaram a participar. Fizemos uma boa gestão, sem falsa modéstia. Deixamos o curso de medicina já aprovado com nota 4. No passado, o projeto foi retomado, e na Univale agora vai ser ofertado. 

DRD — No atual cenário político, a Operação Mar de Lama demonstrou como a política vinha sendo conduzida em Valadares. O senhor acredita que seja possível sobressair a isso?

Edvaldo Soares — Eu acho que sim, e precisamos urgentemente de reagir. Nos não podemos desistir de forma alguma, pelo contrário, precisamos arregaçar as mangas e trabalhar muito. Por isso, precisamos de pessoas que sejam bons gestores, que sejam bem assessorados. E mais, em um município grande como Valadares, é preciso delegar poderes, e quando se é bem assessorado, podemos cobrar, é preciso ser gestor. Entendo que os cargos do Executivo não têm que ser só ocupados por políticos, tem que ser administrador, tem que ser bom gestor.

DRD — O senhor pretende, então, usar esse seu talento para empreender na política, ou isso não faz mais parte dos seus planos?

Edvaldo Soares — Em toda minha vida eu participei da política, embora nunca tenha tido nenhum cargo público. Como fui convidado para as outras atividades, com a política não foi diferente, mas não sou mais pré-candidato. No entanto, vou sempre estar à disposição para fazer minha cidade crescer e contribuir para uma Valadares sempre melhor.









COMENTE ESTA NOTÍCIA


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA






NOTÍCIAS RELACIONADAS