Central do Assinante







PUBLICIDADE


AS MAIS LIDAS
Página Inicial:: >> Saúde e Bem Estar >> Notícias >>
terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Médicos alertam população para cuidados no carnaval

Foto: Divulgação
Os médicos são unânimes em indicarem que as pessoas devem beber bastante líquido, não fazer jejum prolongado e manter as condutas de higiene que têm no dia a dia

O carnaval começa oficialmente na sexta-feira, 8. Preocupados com a saúde desses foliões, médicos fazem um alerta: é preciso não esquecer os cuidados básicos com a saúde nesse período.

O clínico geral Aloisio Fonseca destacou que uma das principais preocupações deve ser com a a hidratação porque, mesmo com a chuva, o tempo continua quente. Ele ressaltou que as pessoas devem beber bastante líquido, não fazer jejum prolongado e manter as condutas de higiene que têm no dia a dia, como por exemplo lavar as mãos antes das refeições, depois de ir ao banheiro, lavar frutas, legumes e verduras antes do consumo. Fonseca salientou que as medidas de higiene contribuem para evitar infecções intestinais, que podem levar à desidratação.

Na hora da alimentação, a recomendação é preferir comer em locais idôneos ou que vendam muita comida, porque significa renovação frequente dos alimentos. Comer em barraquinhas de ambulantes, na rua, “deve ser evitado, dentro do possível”. Caso a necessidade obrigue a se alimentar nesse tipo de serviço, a receita é procurar gente que faça comida a toda hora e “não comer maionese e nada que possa estar feito de um dia para outro”. Na rua, a orientação é comer arroz, salada verde, legumes e frutas. Evitar comidas muito pesadas, para não passar mal depois.

O médico recomenda que se beba água mineral ou filtrada, de preferência. Segundo ele, as bebidas alcoólicas pedem consumo moderado. “O mínimo possível, sempre, que permita um carnaval gostoso”, alertou. “Principalmente, se for dirigir, é zero (consumo)”. Ele lembrou que é muito comum nessa época se ver nas emergências dos hospitais gente alcoolizada, bêbada, que se feriu em brigas e acidentes.

O médico Luís Fernando de Barros Correia explicou que os foliões devem ser separados entre os que têm alguma situação clínica de tratamento e aqueles que não têm doença alguma. Para esses, as preocupações são as habituais e envolvem desidratação, queimaduras de sol e efeitos da alimentação nessa época.

O mesmo se aplica às crianças, para as quais os responsáveis devem ter a máxima atenção. “Só expô-las em ambientes adequados”. Os pais devem evitar levar os filhos a ambientes que sejam cheios demais, em lugares fechados ou abertos. Dar preferência a blocos específicos para crianças. Ou seja, não misturar crianças em blocos de adultos, porque elas podem se machucar ou serem machucadas, “até de maneira inocente, porque as pessoas são adultas e estão pulando em volta. Vai ter bloco, é bloquinho de criança”.

Deve-se evitar usar fantasias muito elaboradas, pesadas ou de material sintético que impeçam as crianças de suar. Os calçados também devem ser adequados. As vestimentas precisam ser leves e de cores claras para permitir a transpiração. Isso se aplica também aos adultos. “Porque a transpiração é o mecanismo natural de refrigeração do nosso corpo”. Além disso, as crianças devem ser mantidas hidratadas e com protetor solar próprio.

Quanto às pessoas que usam medicamentos contínuos, como aqueles para diabetes, pressão alta ou outro problema de saúde, a preocupação dos médicos é que não deixem de tomar o remédio. “Tem que lembrar de tomar o remédio porque, senão, pode ter uma complicação grave de uma doença crônica que vai ser piorada, porque você está se agitando, está suando, está fazendo exercícios. Principalmente pessoas que têm problema de coração, com pressão alta”.

Para todas as pessoas, a recomendação de Luís Fernando Correia é que bebam moderadamente. “Não adianta encher a cara no primeiro dia e perder o resto do carnaval no hospital ou em casa mesmo, com uma ressaca danada”.









COMENTE ESTA NOTÍCIA


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA






NOTÍCIAS RELACIONADAS