Central do Assinante







PUBLICIDADE



AS MAIS LIDAS
Página Inicial:: >> Entretenimento >> Notícias >>
quinta-feira, 14 de março de 2013

Constante renovação

"CQC" volta de férias com novos integrantes e aposta em esquetes de humor
FOTO: Pedro Paulo Figueiredo/CZN
Estréia da 6ª Temporada do “CQC” na Band

Prestes a estrear sua sexta temporada na Band, o "CQC" contraria a máxima de que "em time que está ganhando não se mexe". E mesmo com uma audiência relativamente boa, com média de 7 pontos em 2012, o jornalístico volta ao ar nesta segunda, dia 18, cheio de novidades. Sob o comando de Marcelo Tas, a trupe formada por Marco Luque, Oscar Filho, Felipe Andreoli, Maurício Meireles, Monica Iozzi e Ronald Rios perde Rafael Cortez - que foi apresentar "Got Talent Brasil", na Record -, mas ganha o apoio de Dani Calabresa e de um novo repórter de nome ainda desconhecido. "São cinco anos de programa com um público já consolidado. E toda vez que você consolida um projeto, fica mais difícil manter ele crescendo. Por isso as mudanças", teoriza Tas.

Além da leve reformulação de elenco, o programa também aposta mais na dramaturgia, com a produção de esquetes de humor. A partir desta semana, todas as edições do humorístico vão começar com uma encenação dos bastidores do programa. Os integrantes vão contracenar entre eles em situações típicas do "backstage". Como durante a maquiagem ou uma reunião de pauta. "Vamos mostrar o que acontece atrás da câmaras de forma descontraída, mas não necessariamente verdadeira. Essas sequências também vão contar com participações especiais de artistas conhecidos", adianta Gonzalo Marcó, diretor do programa.

Calabresa também terá um quadro próprio na produção. A humorista transformará as principais notícias da semana em ficção, seja entrevistando algum de seus colegas de emissora ou recriando cenários e diálogos de forma irônica. A ex-apresentadora da MTV continuará com suas imitações debochadas de personalidades famosas. "O 'CQC' é informativo, mas também tem muito humor. Venho para agregar um lado mais cênico ao programa", explica Dani Calabresa.

Quanto ao novo repórter, a produção faz mistério. Depois de uma triagem com mais de 20 concorrentes ao posto, só sobraram quatro candidatos. Entre eles, uma mulher. A escolha final ainda não tem data para ser apresentada ao público. Mas a possibilidade de uma terceira integrante no show já aponta uma certa disputa feminina por espaço. "Você estaria feliz no meu lugar se viesse uma pessoa para competir com você?", ironiza, em tom de brincadeira, a repórter Monica Iozzi.

O programa continua focado na crítica política, sua marca registrada. O incômodo causado pelas pautas ácidas, inclusive, fez o "CQC" ser proibido de entrar na Câmara dos Deputados antes mesmo de reestrear. Mas a interdição foi desfeita logo em seguida, com um entendimento entre as duas partes. E, apesar de focar bastante no eixo São Paulo-Brasília, a direção de conteúdo promete levar as gravações para o interior do país com pautas mais regionalizadas. "O 'CQC' é um programa naturalmente comprometido com a política e o social. E usa uma linguagem moderna e clara, o que atrai o público", analisa Diego Guebel, o diretor geral de conteúdo da emissora.

Na primeira edição do ano, a produção traz uma matéria sobre um dos temas mais comentados do momento: a escolha de um novo Papa. Para isso, Felipe Andreoli acompanha o conclave direto do Vaticano. Enquanto Ronald Rios mostra os bastidores da festa do Oscar. Além do clássico "Top Five" da tevê brasileira. "Por mais que digam que o 'CQC' é um programa humorístico, nossas matérias ajudam muitos jovens a se interessar mais por assuntos políticos no país", atesta Gonzalo.









COMENTE ESTA NOTÍCIA


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA






NOTÍCIAS RELACIONADAS