Central do Assinante







PUBLICIDADE


AS MAIS LIDAS
Página Inicial:: >> Notícias do Brasil & Mundo >> Veículos >>
sábado, 24 de janeiro de 2015

‘Ninjinhas’ invadem mercado

A chegada das chamadas pequenas esportivas com 250 cilindradas tem ampliado o mercado
FOTO: Divulgação
COM UMA pegada mais “racing” e tecnologicamente mais avançada, a Ninja 250R já tomou conta das ruas de Governador Valadares e de outras cidades do País
GOVERNADOR VALADARES -

Ter uma moto esportiva é um sonho distante para muitas pessoas que curtem modelos de alta cilindrada, top de linha, que custam mais de R$ 60 mil. O sonho de pilotar uma supermáquina ainda está distante de muitos consumidores. No entanto, a chegada das chamadas pequenas esportivas tornou o desejo do segmento mais acessível para os compradores, devido ao preço menor, comparado com outras esportivas. A Kawasaki Ninja 250R, por exemplo, lançada em 2009, já defende a liderança e o posto de objeto de desejo de muitos motociclistas.

 

Com uma pegada mais “racing” e tecnologicamente mais avançada, a Ninja 250R já tomou conta das ruas de Governador Valadares e de outras cidades do País. Apesar de não ter uma concessionária autorizada na cidade, a maioria das Ninjas são compradas na região. A loja mais próxima fica em Iapu (MG). O sucesso da moto mais cobiçada da marca japonesa ter caído no gosto popular é fácil e simples: o preço. Desde seu lançamento, as Ninjas 250R variam entre R$ 10 mil e R$ 18 mil. Tudo foi feito estrategicamente para bater de frente com a rival, a Honda CBR-250R, outra que também atraiu o gosto popular dos amantes da esportividade. Mas ambas as motos agradam a gostos distintos.

 

A Ninja 250R pesa 152 kg e é a menor das esportivas. Sua potência é de 33 cavalos a 11.000 rpm e o torque é de 2,24 kgfm com motor bicilíndrico, oito válvulas e refrigeração líquida, ou seja, o motor esbanja esportividade e garante o melhor desempenho do comparativo. O câmbio tem seis marchas e um poderoso disco de freio dianteiro de 290 mm de diâmetro. Com a gasolina já passando dos R$ 3, a Kawasaki também ganha no consumo do combustível. Seu tanque de 17 litros permite rodar pelo menos 425 km, fazendo 25 km por litro. Os amantes de curvas e de uma tocada mais esportiva também se agradam com a Ninja. Nela você não fica tão curvado como em uma super esportiva, mas ainda assim, como não poderia deixar de ser esportiva, a posição é bastante inclinada.

 

O perfil do consumidor é bastante amplo. Para quem gosta de velocidade, os seus 33 cavalos de potência não se comparam aos modelos mais possantes da Kawasaki. Entretanto, a ninjinha ganha nas aptidões esportivas com design mais atraente.









COMENTE ESTA NOTÍCIA


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA






NOTÍCIAS RELACIONADAS