“Não existe perda: nós não tínhamos nada e agora temos”

FOTO: Divulgação

Senador Omar Aziz (PSD-AM), relator da partilha do leilão da exploração de petróleo

Governo pode ressuscitar modelito Marcos Valério

Entidades do setor de publicidade estão preocupadas com o edital de licitação do governo Bolsonaro para contratar agências, cuja minuta foi submetida a consulta pública. Acham a ideia da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) semelhante ao modelo que fez o tesoureiro do mensalão do PT, Marcos Valério, reinar absoluto: a agência licitada subcontrata serviços (gráfica, produtora, assessoria etc). Valério subcontratava as próprias empresas. Deu no que deu.

TCU não permite

Quem fez a minuta inicial da Secom parece ignorar o Tribunal de Contas da União e a lei, que exigem licitação para cada serviço contratado.

Relações privadas

O governo quer reduzir a 3,5% os honorários das agências pagos por emissoras e jornais, que o TCU já reduziu de 20% para 10%.

Eficiência pelo ralo

A Secom exigirá apenas três pessoas na equipe de atendimento das contas oficiais. Atualmente, as equipes têm no mínimo 25 profissionais.

Consulta democrática

Entidades e pessoas físicas e jurídicas puderam fazer sugestões ao edital da Secom, democraticamente. A consulta acabou na sexta (11).

Atravessadores lucram 50% mais que os postos

O sindicato dos postos de combustíveis do Distrito Federal revelou, em nota, que a parcela do lucro das distribuidoras de combustíveis, que atuam como atravessadores no mercado, é 50% maior que todo o lucro percebido pelos donos dos postos. As distribuidoras nada agregam aos combustíveis, produzem notas fiscais. Segundo o sindicato, com o litro a R$ 4,19, a parcela do “custo” das distribuidoras/atravessadores é de R$ 0,24 e o correspondente ao lucro do dono do posto é de R$ 0,16.

Quem ganha mesmo

A Petrobras, que produz o combustível, é o maior item na composição do preço final. Dos R$ 4,19, o “custo Petrobras” corresponde a R$ 1,40.

Impostos, impostos

O ICMS, imposto estadual, representa R$ 1,20 no preço da bomba e se soma a impostos federais, que adicionam mais R$ 0,69 ao litro.

Etanol na gasolina

Apesar de comprar gasolina, o combustível sofre adição de álcool e cada litro é composto por 730ml de gasolina e 270ml de etanol anidro.

Pizzaria Chicana

Foi encerrada após operação de chicana da oposição a reunião da CPI do BNDES da Câmara que votaria o relatório pedindo o indiciamento de Lula, Dilma e outros 72 pela roubalheira ao banco público.

Preocupado? Se vire

Ministros do STF não parecem preocupados com as consequências de novo entendimento sobre prisão em 2ª instância, que pode libertar 193 mil bandidos. É que suas excelências têm seguranças à vontade.

Retirando pontos

Trabalha desde segunda (14) cedo o governador do DF, Ibaneis Rocha, que recebeu quinze pontos no pescoço após um tombo no banheiro escorregadio de sua casa. Vai retirar os pontos na próxima sexta.

Tentativa de intimidação

Após publicação da notícia da delação de Palocci sobre maracutaias do banco Safra com Lula e o PT, o diretor de redação do site Diário do Poder, Tiago de Vasconcelos, teve a vida “verificada” pelo Safra, que deixou rastro de consulta ao seu CPF. O jornalista não é cliente do banco, que chama de “coincidência” a tentativa de intimidação.

Manobras protelatórias

Paula Belmonte (Cidadania-DF) acha inaceitável a enrolada para votar o relatório da CPI do BNDES. Deputados que não apareciam nas sessões agora fazem manobras protelatórias para impedir a votação.

Eleito sem voto

João Campos, filho do saudoso Eduardo Campos, teve uma justificativa risível para não votar a PEC da segunda instância. Às 14h30 de terça (15), alegou que os demais seis colegas do PSB não estavam em Brasília, portanto, o partido não poderia votar a PEC. Que vexame!

Fábrica de destruir atletas

O PSG deveria avaliar melhor a decisão de liberar Neymar sempre que Tite o convoca. O clube francês, que banca seus altos salários, sempre entrega o craque fisicamente bem, mas o recebe detonado.

Crise em números

O orçamento do governo do Rio de Janeiro para 2020 mostra como a situação do estado é grave. A receita prevista é de R$ 70,1 bilhões, mas a despesa é 15,26% maior. O rombo previsto é de R$ 10,7 bilhões.

Pensando bem…

…se investigarem todas as “laranjas” das eleições, cada partido terá seu próprio suco.