Mais um caso de injustiça no processo de escolha de diretor na rede Estadual

0
731
"Depois que li a reportagem fiquei sem entender, pois a mesma superintendente que rejeitou a documentação do colegiado, a meu favor, atendeu ao diretor de Engenheiro Caldas, que também não era certificado", comenta Regina Luiza da Silva.Foto: Angélica Lauriano

Depois da matéria divulgada pelo DIÁRIO DO RIO DOCE na quarta-feira, 20, sobre a reclamação de uma candidata ao cargo de diretora escolar na cidade de Engenheiro Caldas, outra diretora procurou o jornal para contestar o processo. Quem fez a reclamação dessa vez foi Regina Luiza da Silva, atual diretora da Escola Estadual Frei Angélico de Campora, em Governador Valadares. Ela conta que seu certificado está vencido, mas foi vice-diretora na escola por sete anos, professora por 17 anos e está como diretora há um ano e meio. Ao ler a reportagem que saiu na quarta-feira, ela compartilhou do sentimento de injustiça, já que teria apresentado os mesmos requisitos que o diretor de Engenheiro Caldas, para permanecer no cargo, mesmo sem certificação, mas o pedido dela não foi aceito pela diretora da Superintendência Regional Ensino (SRE), Cláudia Maria de Souza Amorim Braga, mesmo com o colegiado se manifestando a seu favor.

Em Valadares, 99 escolas passaram pelo processo para a escolha da nova direção escolar. Dessas, 24 tiveram duas chapas, em 21 escolas os diretores foram indicados pelo colegiado e seis escolas não tinham candidatos que cumpriam os pré-requisitos e foram indicados pela diretora da SRE. Entre as indicações estava a do atual gestor da escola Estadual Professora Ondina Pinto de Almeida, de Engenheiro Caldas. Ele não preenchia os requisitos, porém, era muito querido pela comunidade escolar. A diretora Regina Luiza da Silva conta que seu caso é parecido. “A escola em que estou como diretora apresentou, através da comunidade escolar e do colegiado, toda a documentação necessária para a SRE, solicitando que eu e a vice-diretora, permanecêssemos no cargo, visto que já haviam feito todo o processo, conforme a resolução, porém não foi aceita a documentação do colegiado, registrada em ata. Depois que li a reportagem, fiquei sem entender, pois essa mesma superintendente que rejeitou a documentação do colegiado atendeu ao diretor de Engenheiro Caldas”.

De acordo com o colegiado, a Escola Estadual Frei Angélico de Campora está passando por uma transformação positiva, criando novas parcerias, abrindo espaço para as entidades filantrópicas. Interromper esse trabalho é como matar todo o avanço. “Os membros do colegiado da escola Frei Angélico de Campora estão extremamente decepcionados com a postura da superintendente regional de Ensino, Cláudia Amorim, em indicar um servidor de outra escola para assumir a direção. O Colegiado Escolar, enquanto órgão deliberativo e consultivo, observando a legislação vigente, referendou o nome da atual diretora, Regina Luiza, e da vice-diretora, Carolina, reafirmando sua capacidade gestora. A superintendente, ao não ouvir o colegiado, preconiza uma atitude lamentável e não observa o trabalho pedagógico desenvolvido pela escola e pela atual diretora. Enquanto gestora da SRE, tinha o dever de zelar pelo princípio da democracia. Além do mais, impressiona-nos e gera dúvida a postura adotada pela diretora da SRE, tendo em vista que atendeu abaixo-assinado da comunidade escolar da cidade de Engenheiros Caldas e não possui a mesma postura frente à solicitação da comunidade da Escola Estadual Frei Angélico de Campora. Por quê? É preciso, enquanto gestora pública da SRE, valer-se do princípio da isonomia em suas ações e observar a prática adotada”, relata o colegiado.

O DIÁRIO DO RIO DOCE procurou a diretora do SRE, para saber sobre o caso da diretora Regina Luiza da Silva, mas, como era recesso, não conseguiu falar com ninguém na Superintendência. No caso divulgado na quarta-feira, a superintendente explicou que optou por indicar a permanência do diretor de Engenheiro Caldas diante da manifestação da comunidade escolar, mesmo ele não sendo certificado.

por Angélica Lauriano | angelica.lauriano@drd.com.br