Mais poesia e menos violência

0
1880
FOTO: Equipe Poesia sim, violência não

A poesia como instrumento de promoção da paz e prevenção da violência. Com essa proposta, o poeta valadarense Marcelo Rocha visita toda semana escolas públicas de Governador Valadares e, por meio de uma metodologia composta por declamações de poemas e abordagens poéticas, sensibiliza, motiva e mobiliza jovens estudantes a terem atitudes que criam uma realidade de paz e não violência no ambiente escolar. O projeto estará nesta terça-feira, dia 30, na Escola Quintino Bocaiúva, no bairro Jardim Pérola, quando completará a marca de 2500 jovens abraçados pela poesia em 2019.

Criado há dois anos, a ação “Poesia sim, violência não” já atingiu mais de 5 mil estudantes. Em 2019, o projeto ampliou sua atuação e até o final espera alcançar 12 mil alunos de 40 escolas públicas em Governador Valadares.

Utilizando poemas de sua autoria e de diversos poetas da literatura brasileira, em 30 minutos, nos intervalos do recreio, o poeta Marcelo Rocha aborda temas como amor, respeito, esperança, sonho, educação, paz, sabedoria, perseverança, drogas, assédio, e convida a juventude a dizer não a diversas práticas que contribuem para a violência no dia a dia. Marcelo Rocha enfatiza que o projeto é um parceiro da escola no desafio de sensibilizar corações dos alunos a dizer não à violência e sim à paz. “Acredito que a educação é a melhor arma pra evitar que esses jovens se tornem violentadores. Acredito muito nesses meninos e meninas acendendo esperança, cheirando respeito, traficando conhecimento, sendo abraçados pelo afeto, esvaziando as cadeias e enchendo as universidades. E com o projeto usamos a poesia como uma ferramenta para educar e dizer que a paz é um caminho possível “, explica Marcelo.

A cada visita, além da intervenção poética, são disponibilizadas três opções de tecnologias sociais de uso da poesia para a escola escolher. Para João Bosco Pereira Alves, mestre em educação e professor da Escola Estadual Sagrada Família, no bairro Fraternidade, o projeto foi bem-vindo. “Recebemos o ‘Poesia sim violência não’ por acreditar que, onde a poesia entra, a violência não chega. Houve participação de mais de 300 alunos, aplaudindo e declarando abertamente que a poesia é uma poderosa arma para atingir o coração com mais amor”, conta.

Considerando que a violência nas escolas tem aumentado significativamente nas cidades brasileiras, o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), do Unicef, aponta Governador Valadares como o terceiro município de Minas Gerais com a maior taxa de assassinatos de jovens com idade entre 12 e 18 anos dentre as cidades com mais de 100 mil habitantes; Minas é o 15º estado em que os adolescentes mais correm o risco de ser assassinados antes de completar os 19 anos. Estudos estimam que, se nada for feito para frear a violência, o número de jovens assassinados aumentará.

Conforme explicou Marcelo, de quatro pilares da educação apresentados pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura – UNESCO, este projeto é parceiro da escola em dois deles: Aprender a Viver com os Outros e Aprender a Ser, uma vez que atua em prol da educação das atitudes e valores.

Sobre a importância do “Poesia sim, violência não” na vida dos jovens que tiveram contato com o projeto, Ana Paula Chaves, aluna da Escola Municipal Marcos Geber Sírio, que fica no distrito de Baguari, destaca que a poesia tem ajudado os alunos a terem gosto pela literatura. “Pude ver de perto a eficiência desse projeto e posso afirmar que fez toda a diferença na vida de quem já presenciou”, conta.

A escola que deseja contar com o projeto “Poesia sim, violência não” em Valadares poderá enviar um e-mail para marcelo@institutopsia.org.