Infarto fulminante: jovens têm sido as principais vítimas

0
339
“A correria da vida, ansiedade e o estresse não tem deixado as pessoas se cuidarem, por isso, o aumento no número de infarto fulminante entre os jovens”, explica o cardiologista.

Infarto fulminante surge de repente e muitas vezes pode causar a morte da vítima antes de ela ser atendida pelo médico. Quase metade dos casos morrem antes de chegarem ao hospital

A frequência de ataques do coração entre brasileiros com menos de 30 anos está cada vez maior. E são vários os motivos: estresse, alimentação desregrada, sedentarismo, tabagismo. O Ministério da Saúde afirma que a maior causa de morte em países ricos e emergentes são doenças cardiovasculares. Em todo o mundo, 17 milhões de pessoas sofrem de problemas no coração. No Brasil, essa taxa anual chega a 300 mil, de acordo com o Ministério da Saúde, o que corresponde a uma morte a cada dois minutos.

Para dar a dimensão da gravidade das doenças do coração, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) criou o cardiômetro, que reúne diversos indicadores a respeito do tema no país. Em uma década, de 2004 a 2014, 3,5 milhões de mortes foram provocadas por problemas no coração e na circulação sanguínea. O número corresponde a quase mil mortes por dia. Estimativas da ONG Lado a Lado Pela Vida apontam que doenças vasculares fazem duas vezes mais vítimas do que o câncer.

Entre as ocorrências mais comuns estão o Acidente Vascular Cerebral (AVC), com 100 mil casos; seguido pelo infarto, com 85,9 mil casos. Doenças relacionadas à hipertensão chegam a 46,8 mil registros e 27,3 mil são de insuficiência cardíaca. Além disso, ainda que menos frequente neste grupo, as mulheres são as principais vítimas de infartos no país e somam 60% dos óbitos pela doença.

Infarto fulminante:
algumas vítimas morrem antes de chegarem ao hospital

O infarto fulminante é aquele que surge de repente e que muitas vezes pode causar a morte da vítima antes que ela possa ser atendida pelo médico. Quase metade dos casos morre antes de chegarem ao hospital, devido à rapidez como acontece e a falta de atendimento eficaz.

Este tipo de infarto ocorre quando há a interrupção abrupta do fluxo sanguíneo para o coração, e, geralmente, é causada por alterações genéticas, que provocam modificações nos vasos sanguíneos ou uma arritmia grave. Este risco é maior em pessoas jovens com alterações genéticas ou pessoas com fatores de risco para doenças do coração, como tabagismo, obesidade, diabetes e pressão alta.

Segundo o cardiologista José Maria Braga, o infarto fulminante pode levar a morte em minutos, caso não seja prontamente diagnosticado e tratado, provocando a situação conhecida como morte súbita. Por isso, na presença de sintomas que possam indicar um infarto, como dor no peito, sensação de aperto ou falta de ar, por exemplo, é muito importante procurar atendimento médico o mais breve possível, sendo a prevenção o melhor remédio. “Infelizmente tenho atendido vários pacientes jovens com início da Síndrome Coronariana Aguda, que é basicamente o infarto ou o pré-infarto. Esses pacientes têm entre 30 e 40 anos. Esse aumento de infarto fulminante é causado por hábitos não saudáveis. A vida está cada vez mais corrida e muito estressante causando ansiedade, nervosismo, má alimentação, rotina de trabalho cada vez maiores, por causa disso as pessoas não conseguem ter qualidade de vida. Na verdade não está sobrando tempo para se cuidar”.

Essa falta de qualidade de vida foi a causa do infarto de Caio Fagundes, de 30 anos. Por se preocupar muito com o trabalho e as correrias do dia a dia, não sobrava tempo para pensar nele. “Eu vivia para o trabalho; estava sempre estressado. Me alimentava mal. Um dia de manhã comecei a sentir fortes dores no peito e suava frio, então, fui correndo para o hospital, porque já tinha ouvido falar que sintomas assim poderiam ser problemas no coração. Chegando ao hospital fizeram todos os procedimentos necessários e o médico me disse que me salvei por pouco. Hoje faço acompanhamento com cardiologista e joguei tudo pro alto, nada de estresse, agora quero só pescar, pedalar e jogar futebol. Tenho outra vida, mas foi por pouco. Não vale a pena ficarmos preocupados; morremos e tudo fica. O ideal é viver bem um dia de cada vez, é o que estou fazendo”.

Principais sintomas do infarto fulminante:

Apesar de poder surgir sem qualquer aviso prévio, o infarto fulminante pode provocar sintomas, que podem surgir dias antes e não apenas no momento do ataque. Alguns dos mais comuns incluem:

  • Dor, sensação de peso ou queimação do peito, que pode ser localizada ou irradiar para o braço ou mandíbula;
  • Sensação de indigestão;
  • Falta de ar;
  • Cansaço com suor frio.

A intensidade e tipo do sintoma que surgem variam de acordo com a gravidade da lesão no miocárdio, que é o músculo do coração, mas também de acordo com as características pessoais das pessoas, já que se sabe que mulheres e diabéticos têm a tendência de apresentar infartos mais silenciosos.

O que causa um infarto fulminante

O ataque cardíaco fulminante, geralmente, é causado pela obstrução do fluxo sanguíneo por ruptura de uma placa de gordura que se encontra aderida à parede interna do vaso. Quando essa placa se rompe, libera substâncias inflamatórias que impedem a passagem do sangue que leva o oxigênio para as paredes do coração.

O infarto fulminante ocorre especialmente em jovens, pois estes ainda não possuem a chamada circulação colateral, responsável por irrigar o coração juntamente com as artérias coronárias. A falta de circulação e oxigênio faz com que o músculo cardíaco sofra, causando dor no peito, o que depois pode resultar em morte do músculo cardíaco.

Além disso, pessoas que têm maior risco de desenvolver um infarto fulminante são:

  • História familiar de infarto, o que pode indicar predisposição genética;
  • Idade acima de 40 anos;
  • Altos níveis de estresse;
  • Doenças como pressão alta, diabetes e colesterol alto, sobretudo se não forem tratadas corretamente;
  • Excesso de peso;
  • Tabagismo.

Apesar destas pessoas terem maior predisposição, qualquer pessoa pode desenvolver um ataque cardíaco, por isso, na presença de sinais e sintomas que indicam esta situação, é muito importante ir ao hospital para uma confirmação e tratamentos o mais breve possível.

O que fazer no infarto fulminante

Até que o tratamento pelo médico no hospital seja feito, é possível ajudar a socorrer uma pessoa com infarto fulminante, sendo recomendado chamar uma ambulância do Samu ligando para o número 192, ou levar a vítima imediatamente para o hospital.

Enquanto espera a ambulância, é importante acalmar a pessoa e deixá-la em um local calmo e fresco, sempre checando a consciência e a presença de batimentos nos pulsos e movimentos respiratórios. Caso a pessoa apresente parada dos batimentos cardíacos ou da respiração, é possível fazer uma massagem cardíaca na pessoa.

Como prevenir um infarto

Para diminuir o risco de sofrer um infarto, recomenda-se hábitos de vida saudáveis, como alimentar-se corretamente dando preferência ao consumo de legumes, verduras, grãos, cereais, frutas, hortaliças e carnes magras, como peito de frango grelhado, por exemplo.

Além disso, é recomendado praticar algum tipo de atividade física regularmente, como uma caminhada de 30 minutos, no mínimo, 3 vezes por semana. Outra dica importante é beber bastante água e evitar o estresse, reservando um tempo para descansar.

Angélica Lauriano | angelica.lauriano@drd.com.br

Fonte: Ministério da Saúde