Há 40 anos a Escola Municipal Santos Dumont encanta o público no desfile de 7 de Setembro

Comandada pelo puxador Luiz Carlos, o mestre Lu, a fanfarra está ensaiando desde fevereiro para fazer bonito no desfile de 7 de Setembro

A bateria da Escola Municipal Santos Dumont já está ensaiadíssima e afinada para o desfile de Sete de Setembro em Governador Valadares. Na última quarta-feira (4) foi realizado o ensaio geral e a fanfarra “Batida do Bem” estará novamente alegrando o desfile. Comandada pelo puxador Luiz Carlos, o mestre Lu, o grupo está ensaiando desde fevereiro para fazer bonito na avenida Minas Gerais, neste sábado. O desfile está previsto para começar às 8 horas, na praça Serra Lima, passando pela avenida Minas Gerais e se encerrando na rua Marechal Floriano. Há mais de quatro décadas participando do desfile, a banda já é considerada patrimônio cultural de Valadares.

Para manter o “ritmo próprio”, mestre Lu acompanha de perto seus ritmistas, que já estão na quarta geração, desde que ele assumiu o posto. Neste ano, a fanfarra vai levar 50 alunos para a avenida. A escola vai entrar na segunda ala, a Riquezas, que será puxada pela banda Lira 30 de Janeiro. Figura querida por todos os alunos e professores da E. M. Santos Dummont, mestre Lu conta que começou como ritmista na fanfarra, quando tinha 15 anos e, pouco tempo depois, já assumiu a bateria.

“Entrei como aluno, já desfilando com 15 anos. Tenho 37 anos só de fanfarra, que hoje chamo de ‘Batida do Bem’. Eu não me lembro do ano, mas nós tínhamos o professor Jânio, que deixou a responsabilidade da fanfarra em minhas mãos. O segredo da perfeição da bateria da fanfarra é porque nossa escola é vocacionada para a música. Nós temos aulas de percussão, vilão, sopro e canto desde o primeiro ano. As crianças começam cedo a pegar nos instrumentos. Hoje, não é apenas aula de percussão. E o aluno só entra na fanfarra se for bem na sala de aula”, contou.

Quanto às expectativas para o desfile, mestre Lu diz que continuam as mesmas a cada ano, ou seja, preservar o estilo da bateria da fanfarra, que afirma ser único em Governador Valadares. “Tem um estilo único, devido à entrega nos ensaios. Quando começa o ano letivo, também começam as aulas de percussão, visando ao desfile de 7 Setembro”, disse. Além do desfile no sábado em Governador Valadares, a fanfarra tem compromisso em outras cidades durante a Semana da Pátria. “Nesta sexta-feira iremos tocar em São Félix de Minas, no sábado na parte da tarde estaremos levando nossa bateria para tocar em Frei Inocêncio”, confirmou mestre Lu.

Encantando o público por onde passa, a bateria tem como novidade neste ano a inclusão de alunos especiais. “Nós teremos quatro alunos especiais na bateria. É um projeto de inclusão, que já havia sido planejado na escola há muito tempo. A cada ensaio dá para ver a empolgação dessas crianças em participar da fanfarra. Os movimentos da percussão as ajudam a controlar a coordenação motora. Outra novidade que iremos apresentar é a introdução da flauta e do violão na bateria. Haverá um momento no desfile em que iremos dar uma “paradinha” e tocar Asa Branca (Luiz Gonzaga)”, revelou.

Há quatro décadas desfilando no Dia da Independência, a E. M. Santos Dumont colhe frutos de ex-alunos e educadores que passaram pela fanfarra. O ex-aluno Adailton Júnior, por exemplo, conta que jamais vai querer sair da fanfarra. “Além de ser divertido, é uma maneira de matar a saudade dos meus amigos e professores. Comecei a tocar o surdo com 14 anos. Essa bateria é como se fosse uma família. A união que tem aqui é diferente das outras baterias da cidade. Aqui a gente não toca para poder aparecer para os outros. Todo mundo participa com o intuito de poder se divertir. A gente passa alegria e emoção para quem ouve, porque tocamos naturalmente. Não vou querer parar de participar”, disse.

O ex-aluno revela que tocar na fanfarra foi fundamental para o tratamento da depressão. “Foi através da bateria que curei a minha depressão. Além de desestressar, me ajudou a controlar minha coordenação motora e interagir com outras pessoas”, contou.

Mestre Lu, figura indispensável nos blocos de carnaval em Valadares

É impossível não notar a presença do mestre Lu nos desfiles de 7 de Setembro ou no bloco Trupico do Lalá. O sambista comemora uma longa carreira, marcada por muitas apresentações à frente da fanfarra, que diz amar incondicionalmente. “Sou professor de música em algumas escolas e projetos em Valadares. Crianças e idosos me procuram para aprender a tocar. Isso nos motiva ainda mais a trabalhar com o que gostamos”, disse.

Com a vida dedicada ao samba, Lu conta como começou sua história no carnaval valadarense: “Comecei cedo na percussão. Foi na escola de samba Milionários do Ritmo, que era do nosso saudoso mestre Buti. Foi lá que comecei a trabalhar ritmos diferentes. Com 15 anos já estava na fanfarra do Santos Dumont, depois assumi a bateria no lugar do mestre Jânio. No Trupico do Lalá já são oito anos como mestre de bateria. Neste ano, fui convidado para ser mestre de bateria na Copa das Atléticas nos Vales. É importante para mim levar alegria e diversão para essas pessoas através do samba”, contou.

por Eduardo Lima