Família de engenheira morta em Brumadinho monta bazar permanente na Dona Zulmira

Em uma sala ampla na Casa de Recuperação Dona Zulmira vai funcionar o Bazar da Izabela Barroso. FOTO:Divulgação.

A família da valadarense Izabela Barroso Câmara Pinto, vítima da tragédia da Vale em Brumadinho, resolveu doar parte da indenização recebida pela empresa à Casa de Recuperação Dona Zulmira. Mas não para por aí. No dia 30 de março vai inaugurar um bazar beneficente e toda a renda arrecadada será destinada à instituição, que acolhe pessoas a partir de 60 anos.

A família, que sofre com o luto, busca forças para continuar. E encontrou na filantropia uma forma de se fortalecer. A ideia de criar o bazar e doar parte do dinheiro recebido para uma instituição partiu da própria Izabela. Pouco antes de morrer ela teria falado para o marido que, se morresse em alguma tragédia, gostaria que ele doasse todo o dinheiro recebido de indenização para ajudar o próximo.

“Bela”, como era carinhosamente chamada pelos amigos e parentes, sempre estará presente, através de suas ações, de acordo com o pai, Helvécio Barroso. “Decidimos fazer o que a Bela queria. Foi um desejo que ela manifestou pouco tempo antes de morrer. Então, o marido resolveu fazer a vontade dela. A Bela tinha um grupo com oito amigas que já ajudavam instituições carentes em Brumadinho e Belo Horizonte. Então veio a ideia de ajudar a Casa de Recuperação Dona Zulmira, uma entidade que já conhecemos e que atende pessoas com mais de 60 anos que não têm renda”, conta Helvécio Barroso.

Segundo o pai de Izabela, o bazar funcionará na sede da instituição, das 8h às 18h, todos os dias. “A inauguração acontecerá no dia 30, às 16 horas. Uma missa será realizada no local que foi preparado para ser a sede do bazar. A sala é ampla e foi toda reformada, para que fique tudo organizado. Na hora da inauguração vamos fazer também uma homenagem para a Bela. Já estamos recebendo doações de Belo Horizonte, São Paulo e de Vitória.”

Os interessados em doar roupas, calçados, acessórios (adulto e infantil), eletrodomésticos, brinquedos, entre outros, podem entregar suas doações na rua Afonso Pena, 2115, Esplanada (próximo ao campo do Democrata), ou agendar a coleta pelo telefone (33) 3271-4396. Caso alguém queira fazer alguma contribuição financeira, basta depositar na conta corrente 8132-9, agência 0166-X, Banco do Brasil (001), ou na conta corrente 01175-4, agência 3041, Banco Itaú (341).

Quem era Dona Zulmira

Dona Zulmira nasceu numa família de sete pessoas, onde ela era a filha mais velha. Todos foram católicos praticantes. Zulmira Pereira da Silva veio para a Figueira do Rio Doce (hoje Governador Valadares) em 1933, alojando-se na rua Quintino Bocaiúva, esquina com rua Israel Pinheiro, unida ao Mercado Municipal, quando a localidade tinha uma população de 3 a 4 mil habitantes.

por Angélica Lauriano | angelica.lauriano@drd.com.br