Experientes lideram “virada emocional” do Atlético, que precisa manter foco na reta final

516

13Na última sexta-feira, na Cidade do Galo, Elias concedeu entrevista coletiva e disse que notava um “clima diferente” no CT. A mudança mencionada por ele era em relação ao foco do elenco, à atitude dos atletas, que se preparavam para encarar o Palmeiras, líder do Brasileirão. Foi, de fato, uma semana de muita cobrança e de “fechamento” do grupo do Atlético, que busca o objetivo maior na reta final do ano: a vaga na Libertadores 2019.

A mudança de postura foi evidente nos 90 minutos contra o Palmeiras. O time saiu de campo com um empate, é verdade, mas o comportamento foi diferente. O GloboEsporte.com apurou que as conversas da semana tiveram participação direta e muito efetiva dos jogadores experientes do elenco, como Victor, Léo Silva, Ricardo Oliveira, entre outros. E também, claro, a influência do treinador Levir Cuipi e do diretor de futebol Marques.

CONFIANÇA  RECUPERADA

O gol de empate do Palmeiras foi uma ducha de água fria para o Atlético, mas o time saiu do Horto fortalecido, mais unido e com a confiança recuperada (pelo menos boa parte dela). Algumas declarações pós-jogo, listadas abaixo, evidenciam que o Galo pode não ter conseguidos os três pontos no Independência, mas conseguiu uma “virada emocional”, o que pode fazer a diferença na reta final do Brasileirão.

– O tom da conversa uma semana atrás foi de um pouco mais de cobrança, de retomada daquilo que a gente acredita que é o Atlético, um time com mais entrega. A semana foi especial de trabalho, uma resposta muito positiva no jogo. É dar sequência de forma natural. Vamos projetar mais um grande jogo amanhã (contra o Paraná) para retomar de fato a confiança e buscar nossa vaga – destacou Marques. “Saímos fortalecidos, com certeza. Conversamos, olhamos no olho de cada um e falamos que fizemos uma grande partida. É isso que tem que ser até o final. Se a gente jogar assim, a gente pode vencer qualquer equipe” (Luan) – Com certeza, deu pra ver em campo que houve uma mudança.

A percepção de quem veio ver o jogo foi diferente. A gente viu que a gente é capaz de colocar o líder com a bunda lá atrás, de impor o jogo, criar chances. O Palmeiras também criou, mas ficou o segundo tempo inteiro só atrás, defendendo. Faltam poucos jogos, mas

temos que dar a vida para buscar algo bom ano que vem – completou Maidana. A sequência do Galo até o fim do Brasileirão tem Paraná (fora), Bahia (em casa), Internacional (fora), Santos (fora) e Botafogo(em casa).

Globoesporte