Direção do Hospital Bom Samaritano defende setor filantrópico na Câmara Federal

FOTO: Divulgação

Reafirmar a importância dos Hospitais Filantrópicos e Santas Casas e pedir uma atenção especial. Com essa missão, os gestores do Hospital Bom Samaritano (HBS), mantido pela Beneficência Social Bom Samaritano (BSBS), participam hoje, em Brasília, da reunião da bancada mineira na Câmara Federal, para defender o setor filantrópico junto aos deputados que aprovarão os recursos do Governo Federal em 2020.

Segundo o conselheiro da BSBS, Renato Fraga, apresentar os resultados concretos é uma forma de sensibilizar os deputados. “Ocupar um espaço tão importante como a Câmara Federal para mostrar o trabalho da BSBS, realizado no Leste de Minas, é de extrema importância para a sobrevivência dos Hospitais Filantrópicos e Santas Casas. Nosso relatório contábil deixa claro que, para atendermos o SUS, temos que desembolsar recursos próprios. Somente em 2018 foram mais de 10 milhões, uma vez que a tabela que remunera os procedimentos públicos é deficitária, não é reajustada desde 2001. Hoje o Governo reembolsa 10 reais em uma consulta médica, para pagar o médico e toda a estrutura do hospital, isso sem contar os demais procedimentos.”

Fraga explica que, para a instituição cumprir a sua missão em ofertar o acesso à saúde de qualidade, em meio a contingenciamento e atrasos de repasses, um trabalho de articulação política é realizado para compensar a defasagem dos valores praticados pelo SUS. “Também captamos recursos na iniciativa privada, através de programas como o de Apoio à Atenção Oncológica. Recentemente, as empresas Alupar, Ambev, Cemig, Cielo, Grupo Zaffari, Itaú, Loja Elétrica, Lojas Renner, Taesa, Tambasa, Vallourec e Zema fizeram renúncias fiscais que beneficiaram o Hospital Bom Samaritano na compra de um aparelho de ressonância magnética. Nesse processo, a comunidade também tem o seu papel. É fundamental que todos abracem o HBS. Desenvolvemos o Programa Luz Para a Vida, que, através da conta de energia elétrica, permite a doação mínima de cinco reais de qualquer morador do estado de Minas Gerais.”

A participação da BSBS é viabilizada pelo deputado líder da bancada, Diego Andrade. Antes, somente as instituições das capitais participavam do encontro e eram beneficiadas com emendas parlamentares de bancadas.

O Hospital Bom Samaritano

Em 2018, 76,91% dos atendimentos realizados no complexo de saúde foram para pacientes encaminhados pelo SUS. Foram 8.791 internações hospitalares; 269.255 atendimentos ambulatoriais; no setor de Imagem, que realiza exames como: biópsia, mamografia, raio-x, tomografia e ultrassom, foram 37.578 procedimentos; e o laboratório recebeu em média 150 pacientes por dia, sem contar com a UPA 24H, 100% SUS, cuja administração é de responsabilidade da BSBS. E no último ano realizou 74.174 atendimentos, gerando 192.079 procedimentos.