Delegado Cristiano Campidelli reassume Polícia Federal em Valadares e fala dos novos desafios

Campidelli tomou posse na Delegacia da Polícia Federal em Valadares na última terça-feira (25).Foto: Fábio Magalhães

O delegado Cristiano Jomar Costa Campidelli assumiu a Delegacia da Polícia Federal em Governador Valadares. A cerimônia de posse ocorreu na terça-feira, dia 25, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/GV). Campidelli passa a chefiar a Delegacia, função antes desempenhada pelo delegado Jesse James Rodrigues Freire. É a segunda vez que Campidelli assume a chefia da PF no município. O objetivo do delegado é atuar em conjunto com todas as forças policiais no combate ao tráfico de armas e drogas, ao crime organizado e a facções criminosas em Valadares e região.

Em discurso bastante emocionado, Campidelli fez questão de relembrar sua trajetória na PF, desde que tomou posse pela primeira vez na Delegacia, no período de 2010 a 2015, e agradecer. “Há muito tempo que tenho mais motivos para agradecer do que pedir. Sou grato por tudo que conquistei até o dia de hoje. Agradecer minha família e minha esposa pelo apoio de sempre. Agradeço aos meus companheiros da Polícia Federal, por terem confiado a mim essa missão.”

Campidelli entrou para o quadro da PF em 2003, após aprovação em concurso público para o cargo de delegado, tendo como primeira lotação a cidade de Foz do Iguaçu (PR), depois foi removido para Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. De 2010 a 2015, chefiou a Delegacia em Valadares. No ano seguinte, em 2016, assumiu o Núcleo de Operações da Delegacia Regional Executiva, da Superintendência Regional da Polícia Federal, em Belo Horizonte, além de ter sido designado delegado regional executivo substituto. Exerce ativamente a docência no ensino superior em cursos de graduação, pós-graduação e preparatórios para concursos públicos e exames da OAB. É autor das obras: “Força Tarefa Delegado Federal” e “Vade Mecum Doutrina OAB”.

Para o delegado, os desafios de reassumir a Delegacia da Polícia Federal serão maiores do que na primeira vez. “Os desafios são imensos. Nós temos uma área de atuação muito grande na região Leste, temos crimes federais que precisam da nossa atenção, desde fraudes no INSS, passando por imigração ilegal na região, tráfico de drogas, desvios de recursos públicos. Temos uma parte administrativa muito grande, de registro de armas. Enfim, há todo um trabalho a ser feito. Mas estamos chegando com muita força de vontade e determinação para cumprir nosso trabalho. Não podemos descansar enquanto não atingirmos nosso objetivo, até o fim da gestão, de garantir uma sociedade mais harmônica e mais pacífica”, disse.

Estavam presentes na cerimônia de posse o superintendente da Polícia Federal em Minas Gerais, delegado Cairo Costa Duarte, o presidente da Câmara Municipal, Júlio Avelar (PV), o comandante da 8ª Região da Polícia Militar (8ª RPM), coronel Fabrício Casotti, o chefe do Departamento de Polícia Civil em Governador Valadares, Vinícius Sampaio da Costa, o presidente da 43ª subseção da OAB/GV, Giuliano Almada, além de advogados, policias federais, amigos e familiares.

O superintendente da PF, Cairo Costa, deu as boas-vindas ao delegado. “Agradecemos ao Campidelli por aceitar novamente a missão nessa cidade tão estratégica que é Valadares. Todas as vezes que falam de seu nome, só falam bem. O nosso efetivo está em boas mãos. Sabemos da sua determinação e competência para enfrentar os desafios da Delegacia”, elogiou.

Cristiano Campidelli é conhecido em Valadares principalmente porque esteve à frente, em todas as fases, até o inquérito final, da Operação ‘Mar de Lama’, uma ação conjunta do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Minas Gerais, Ministério Público Federal, Polícia Federal, Polícia Civil, Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MFTC), em abril de 2016. A operação desarticulou uma organização criminosa de agentes públicos suspeitos de desviar dinheiro público, grande parte dos quais de recursos federais que seriam destinados a cobrir os impactos das enchentes de 2013 em Valadares. Na época, 26 pessoas foram presas e afastadas de suas funções no município, incluindo 13 vereadores.

por Eduardo Lima | eduardolima@drd.com.br