Corpo de mulher assassinada no Vila Isa ainda não foi identificado

0
628

O corpo de uma mulher encontrada morta na manhã de sábado (4) ainda está no IML de Governador Valadares, aguardando identificação da família. Ele foi encontrado dentro do banheiro da suíte de uma casa no bairro Vila Isa, alugada por um homem que está desaparecido.

A Polícia Militar foi acionada na rua Raimundo Luzia da Silveira, Vila Isa, em uma casa de dois andares. A proprietária, que mora embaixo, aluga quatro suítes no andar de cima. Uma das moradoras chamou a PM ao sentir um forte cheiro vindo de um dos quartos. Os policiais encontraram, no banheiro, o corpo de uma mulher já em avançado estado de decomposição.A perícia encontrou sangue nas paredes do banheiro e do quarto, o que indica que ela pode tenha sido assassinada. Ninguém da vizinhança quis comentar sobre o assunto.

Segundo ocorrência da Polícia Militar, o homem que alugou o quarto se chama Mauro Braz de Almeida, 39, natural de Vila Velha. Testemunhas contaram para os policiais que na quarta-feira (1), por volta das 8h, ouviram um barulho vindo do quarto de Mauro e uma pessoa dizendo “oh mãe, me ajuda”. Em seguida, o viram saindo com um ventilador e indo embora em uma moto Titan vermelha.

A polícia tentou localizar o homem, mas ele desapareceu. Nenhum documento foi encontrado na suíte onde a mulher foi morta. Apesar do estado de decomposição, a perícia identificou uma tatuagem com os dizeres “Paulo Henrique” no braço direito da vítima. No quarto, os policiais também encontraram uma aliança gravada com os nomes “Bruno e Naiana”.

Até o final da tarde de ontem, o corpo da vítima permanecia sem identificação no IML. Algumas pessoas chegaram a procurar o local para tentar identificá-la, mas, até o momento, ninguém reconheceu a mulher.

Tráfico e morte

O jovem Ramon Gonçalves do Amaral, 25, foi assassinado no início da madrugada de domingo no bairro Nossa Senhora das Graças. Os suspeitos seriam um jovem e um adolescente, reconhecidos por uma câmera de segurança que registrou a ação.Segundo ocorrência da PM, testemunhas contaram que Ramon foi assassinado porque teria começado a vender drogas em um evento que ocorria no Centro Social do bairro. O local seria área dos suspeitos, identificados por Raphael Ferreira Santos Virgilino, 24, e Y.D.O., 17, que não gostaram da ação da vítima.

Testemunhas contaram que os suspeitos dominavam a venda de drogas no local.Ramon levou um tiro na cabeça quando saía em uma moto. Descontrolado, ele bateu na moto em que os suspeitos estavam. A vítima foi levada ao Hospital Municipal ainda com vida, mas não resistiu e morreu pouco depois de dar entrada. No sapato dela foi encontrado um papelote de cocaína, que foi apreendido pela PM.

A polícia não conseguiu localizar os suspeitos, mas apreendeu a motocicleta usada por eles e também a que estava com a vítima.

Corpo encontrado

A Polícia Militar foi acionada na tarde deste domingo (5), no bairro Santa Paula, onde foi encontrado o corpo de Ramon Martins Oliveira, 29. Ele estava já em decomposição e a perícia constatou uma fratura no crânio, o que pode ter sido a causa da morte.Segundo a esposa da vítima, ela era usuária de crack e trabalhava como chapa na região.

No dia 30 de abril, Ramon esteve em uma borracharia próxima e deixou uma bolsa com objetos pessoais dizendo que “iria ali”. Desde então, ele não foi mais visto. A Polícia Civil já iniciou as investigações para tentar identificar o autor do crime.

Perseguição

O jovem Raylander Teixeira de Souza Silva, 22, morreu na madrugada de sábado depois de participar de um tiroteio no Conjunto Sir e de ser perseguido pela Polícia Militar. Ele teria pulado no rio Doce para tentar escapar da prisão.

A PM foi acionada entre a noite de sexta e o início da madrugada de sábado para conter um tiroteio entre gangues no Conjunto Sir. Quatro homens em um veículo Golf de cor preta estavam trocando tiros com uma turma conhecida por gangue do Renê. Com a chegada da polícia, eles fugiram pelas ruas do Sir e do São Pedro, sendo perseguidos.

No caminho, já no bairro Santos Dumont I, dois dos ocupantes do veículo pularam com ele ainda em movimento e foram presos pelos policiais. Um terceiro ocupante saiu do veículo atirando e conseguiu fugir em direção à beira do rio. A perseguição ao veículo continuou por diversas ruas da cidade, com trocas de tiros e com o motorista jogando o carro contra policiais, chegando a atingir duas viaturas. Na altura do campo da Malta, Raylander Teixeira, que dirigia o carro, parou e correu para o rio Doce. O Corpo de Bombeiros foi acionado e conseguiu localizá-lo dentro do rio, já sem vida.

Os policiais constataram um tiro na coxa de Raylander. Como não foi identificado se o tiro foi proveniente do tiroteio com a gangue do Sir ou com a PM, três armas de policiais foram apreendidas para perícia.O motivo da guerra entre as quadrilhas seria um assassinato acontecido no dia 27 de maio, no bairro São Pedro, que vitimou um homem chamado Danilo. Os autores do crime seriam os ocupantes do Golf, que estariam se sentindo ameaçados pela gangue do Renê, do Conjunto Sir.