Confissão a jato

215
FOTO: Divulgação

Joaquim Felizardo era um velho militante e foi logo preso, no golpe de 1964. No corredor do Dops, ele aguardava na fila dos que seriam interrogados, ao lado de outro detido, um advogado gay. Lá para as tantas, o delegado gritou: “Tragam o pederasta e o comuna!” Progressista, mas nem um pouco politicamente correto, Felizardo deu um salto à frente para admitir rapidinho: “Doutor, o comunista sou eu, hein?”