Com horário de atendimento ampliado, Caixa começa hoje a liberar retirada do FGTS

FOTO: Divulgação

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa a ser liberado hoje em todo o país, começando por trabalhadores nascidos entre os meses de janeiro e abril que tenham conta na Caixa Econômica Federal. Em Minas Gerais, em todas as etapas previstas, a liberação do FGTS deve injetar mais R$ 3,4 bilhões na economia, beneficiando mais de 10,2 milhões de trabalhadores. Para dar conta dessa demanda, a Caixa abrirá as portas amanhã (14), e o horário de atendimento será ampliado hoje, na segunda e na terça-feira.

Todas as agências da Caixa terão duas horas a mais de atendimento hoje e nos dias 16 e 17, para realizar o pagamento, solucionar dúvidas, promover acertos de cadastro dos trabalhadores e emitir senha do Cartão Cidadão. Amanhã, as portas da Caixa estarão abertas das 9 às 15 horas. A partir do dia 27 deste mês o benefício estará liberado para clientes da Caixa que nasceram entre maio e agosto. Quem faz aniversário entre setembro e dezembro, e possui conta na Caixa, poderá sacar o benefício a partir de 9 de outubro. Para quem não é cliente da Caixa, os saques começam a partir de 18 de outubro, e seguem cronograma de acordo com o mês de nascimento do beneficiado.

O benefício liberado é de até R$ 500 para cada conta ativa ou inativa do Fundo. Os saques de até R$ 100 poderão ser realizados em casas lotéricas, mediante apresentação de documento de identidade original com foto e número do CPF. As lotéricas também pagarão valores entre R$ 100 e R$ 500, porém, com uso do cartão e senha do Cidadão.

OPINIÕES

O DRD foi às ruas de Governador Valadares para conhecer as opiniões dos beneficiados a respeito da liberação do FGTS. O funcionário público Lauro César Lombardi, mesmo com uma pequena quantia a ser recebida, faz planos para investir o dinheiro: “Eu não trabalho há muito tempo; então, o valor é bem pequeno ainda. Mas eu pretendo reinvestir esse dinheiro, guardar em poupança. Tenho esse pensamento de ter um dinheirinho guardado, depois talvez comprar uma casa, investir em alguma coisa pra mim e para minha esposa”.

A trabalhadora em educação Sandra Regina está em dúvida se tem direito ao benefício. “Eu não sei ainda se tenho direito, porque tem muito tempo que eu não trabalho com carteira assinada, só trabalho na área pública. Quero saber se tenho direito do período anterior em que eu estava na iniciativa privada. Se eu tiver direito, vou fazer um bom proveito do meu dinheiro. Mas só vou saber como gastar quando estiver perto de receber, porque a gente não sabe o dia de amanhã”, disse Sandra.

Para o carteiro Alberoni Ferreira de Souza, os valores liberados pela Caixa não representam grande mudança no orçamento doméstico. “Direito ao benefício eu tenho, mas não recebo agora porque não tenho conta na Caixa. Não vejo como isso pode me ajudar, não vai fazer tanta diferença. Já que esse dinheiro é meu e está lá, poderia haver uma forma melhor de usá-lo, como pagamento de dívida. Eu tenho uns 40 mil reais de Fundo de Garantia e a liberação de 500 reais não resolve nada, é um valor baixo”, afirmou o carteiro.

A servidora pública Rosália Maria Costa de Paula admite que o benefício pode ser útil para quitar débitos, mas teme que esses recursos façam falta no futuro. “O dinheiro sempre vai ser para pagar conta. O trabalhador que tem o FGTS tem contas para pagar, mas é um incentivo que no futuro pode ser ruim. Se a gente sair do serviço, no futuro esse dinheiro pode fazer falta”, declarou Rosália.

por THIAGO FERREIRA COELHO