Bolsonaro: visita ao Paraguai é ‘fundamental’ para construção de 2ª ponte

0
141
FOTO:Divulgação

Brasília (AE) – O presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem que pretende viajar ao Paraguai ainda este ano para dar início às obras da segunda ponte entre os países. “Se Deus quiser no corrente ano faremos visita ao Abdo (no Paraguai)”, disse Bolsonaro em pronunciamento ao lado do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Segundo Bolsonaro, a visita é “fundamental” para a construção da ponte entre Foz do Iguaçu (PR) e Presidente Franco. O presidente do Paraguai, por sua vez, destacou que a visita marcará o início das obras após décadas de espera.

O governo brasileiro também negocia a construção de uma terceira ponte entre os países, que faria ligação entre as cidades de Porto Murtinho (MS) e Carmelo Peralta. Um acordo firmado entre os dois governos ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer prevê que a obra será custeada pela Itaipu Binacional.

Ontem, Bolsonaro recebeu Abdo no Palácio do Planalto para uma visita oficial. O encontro faz parte da agenda internacional de Bolsonaro, que já recebeu o presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

O presidente do Paraguai afirmou que sentiu “sintonia e harmonia” na reunião com o presidente brasileiro e seus ministros. Ele também disse que “o Paraguai tem economia que se complementa com a economia brasileira”. O Brasil é o principal parceiro comercial do Paraguai, segundo o Ministério de Relações Exteriores (MRE).

De acordo com Bolsonaro, eles também falaram de outros assuntos, como questões envolvendo Itaipu, crime organizado e exilados.

Vélez fica

Bolsonaro disse, ao chegar ao Itamaraty, que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, “continua no cargo”. Lembrado que o filósofo Olavo de Carvalho foi ao Twitter criticar o ministro e até mesmo pedir a sua demissão, Bolsonaro disse: “Eles estão se entendendo”. “Não precisa sair (o ministro)”, completou.

“Teve um probleminha com o primeiro homem dele, mas está tudo resolvido”, disse o presidente numa referência a Vélez. “Eu tenho seis filhos e tenho problema de vez em quando. Imagine com 22 ministros”, afirmou. “Eu tenho cinco filhos”, corrigiu logo em seguida, sorrindo e admitindo ter sido traído pela memória.

Sobre a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, envolvido em denúncias de ter direcionado verbas de campanha a candidatas suspeitas de serem laranjas, o presidente limitou-se a responder: “Estou aguardando primeiro o relatório da investigação.”