Bingo em prol da Associação Santa Luzia acontecerá amanhã

0
262
Tonhão é um dos internos pioneiros da Associação Santa Luzia, onde chegou há 52 anos.Foto: Angélica Lauriano

A Associação Santa Luzia mais uma vez pede ajuda da comunidade valadarense para a realização da tradicional festa “Santa Luzia da Sorte”, que acontece há vários anos. A grande festa solidária será amanhã, 5, a partir das 19h30, na avenida Rio Doce, nº 4, no bairro São Pedro, com sorteios de vários prêmios. Cada cartela custa R$ 10,00. Além de ajudar a população assistida, os participantes concorrem a vários prêmios e podem prestigiar as barraquinhas, comendo pastel, churrasquinho, caldos, macarrão e consumindo bebidas. Sua participação é muito importante. Ajude a Santa Luzia a ajudar!

Prêmios “Santa Luzia da Sorte”

  • 1º Bicicleta com marchas
  • 2º Micro-ondas
  • 3º Smartphone
  • 4º Smart tv 32″
  • 5º Notebook
  • 6º Smart tv 43″

Doações

Os interessados em ajudar a Associação Santa Luzia podem doar fraldas geriátricas, óleo, feijão, leite, arroz e material de higiene pessoal. Se preferirem, podem fazer doações mensais através do carnê da instituição, que pode ser pago em qualquer agência bancária ou em casas lotéricas. Doações de roupas e móveis também são bem-vindos. “As roupas passam por um processo de triagem. As que não servem para os assistidos são encaminhadas para o bazar da instituição. Caso alguém queira doar móveis, nós buscamos no local. Outra necessidade que temos são as fraldas descartáveis. Hoje usamos 12 mil fraldas por mês; então, as fraldas são de extrema necessidade”, ressalta o presidente da instituição.

A Associação Santa Luzia está localizada na rua Israel Pinheiro, 77, bairro São Pedro. Mais informações pelo (33) 32251420.

A FUNDAÇÃO DA ENTIDADE

Em 1965, um senhor cego chamado José Tibúrcio de Oliveira iniciou um movimento para acolher outros cegos desamparados que perambulavam pela cidade. Com recursos obtidos na sociedade, alugou uma casa na rua Cláudio Manoel, mas, apesar de todos os esforços empreendidos, os escassos recursos disponíveis e a precariedade da administração inviabilizavam o projeto.

Começou, então, a segunda fase da instituição, com a intervenção do então bispo diocesano, d. Hermínio Malzone Hugo, que, com o afastamento do fundador, passou ao dr. Cyro Siman, pessoa caridosa e repleta de ideais cristãos, a incumbência de, junto com um grupo de amigos, dar continuidade ao projeto de minimizar os sofrimentos impostos pela deficiência daqueles desamparados.

A essa altura, a manutenção do abrigo no local em que originalmente foi instalado já se tornara impraticável, assim como a receita disponível já não fazia frente às despesas geradas. Iniciou-se a campanha de sócios colaboradores, e o primeiro passo foi a obtenção de um terreno definitivo onde pudesse fundar o Lar dos Desamparados. Solicitações foram encaminhadas ao sr. Lírio Cabral, presidente da CREIA/SA, que efetuou a doação de terreno com 1.358 m2, no bairro Pastoril, àquela época situado nas imediações da zona urbana. Nesta área se construiu um barracão e para lá foram transportados aqueles primeiros assistidos.

A denominação surgiu espontaneamente: ASSOCIAÇÃO SANTA LUZIA, que passou a assistir, além de cegos, idosos, deficientes mentais, todos carentes e desamparados.

FILOSOFIA

“Viver em pleno uso de todas as faculdades e funcionamento de todos os membros é a maior felicidade natural. Mas amparar e ajudar aqueles que nunca tiveram ou que foram privados desta felicidade é algo sobrenatural e divino.”

A assistência prestada na Associação Santa Luzia tem por base os fundamentos da Fraternidade Cristã, sendo que os seus benefícios são gratuitos e seu alcance não faz distinção de cor, sexo, idade, profissão, nacionalidade, ideologia política ou crença religiosa. Nesse sentido, faz parte da filosofia da instituição a busca incessante de recursos humanos e materiais necessários para oferecer a essas pessoas condições de viver o melhor, dentro de suas limitações.

A Associação Santa Luzia, neste intento de buscar melhoria do bem-estar físico, social e espiritual de seus internos, conta com o trabalho de um quadro de funcionários, cujo carinho e dedicação vai muito além dos limites da simples relação trabalhista. Conta ainda com um Conselho Diretor, um Conselho Curador e um grupo de voluntários, que, sem qualquer remuneração, atua junto à sociedade, no sentido de não deixar faltar recurso, e junto à própria instituição, no sentido de bem aplicar aqueles disponíveis.