André Bretas inicia temporada competindo no Andes Pacífico, no Chile

0
256
Bretas iniciou a competição pedalando em uma altitude de mais de 3.500 metros, em La Parva, na Cordilheira dos Andes, no Chile

O atleta valadarense André Bretas está no Chile, onde disputa a edição de 2019 do Andes Pacífico, uma das mais difíceis provas de enduro mountain bike do mundo. Na competição, que foi realizada em cinco dias seguidos e termina hoje, Bretas iniciou pedalando em uma altitude de mais de 3.500 metros, em La Parva, na Cordilheira dos Andes chilena, para concluir o desafio no Oceano Pacífico, em Matanzas. A competição será um preparativo para o Enduro World Series 2019.

Ciclista valadarense está no país sul-americano, onde encerra sua participação hoje.Foto: Divulgação

Bretas é o principal atleta brasileiro na abertura do Circuito Mundial de Mountain Bike Enduro. O valadarense desembarcou no Chile na último final de semana e teve dias de treinamentos pesados. “Essa prova é superdifícil e bastante respeitada no meio do enduro, por ser realizada em cinco dias, iniciando na Cordilheira, nas cercanias de Santiago. Todos os dias temos longas distâncias a percorrer. O que torna a competição diferente da maioria é que ela é a chamada ‘blind’, ou seja, corremos às cegas, sem reconhecer o percurso. Por isso, os chilenos são grandes favoritos, já que os estrangeiros não terão nenhum conhecimento do terreno, e é a competição mais longa de enduro do mundo, considerada talvez a mais difícil neste estilo específico”, explica Bretas.

Santa Cruz Andes Pacífico Enduro ganhou um lugar de destaque entre as corridas de várias etapas. Além de uma corrida, é um desafio para os limites dos competidores. Além de um desafio, é uma experiência inesquecível para os atletas, que vislumbram paisagens espetaculares. Depois de terminar a temporada 2018 com uma vitória no Chile, na penúltima etapa daquela que é considerada uma das provas mais importantes da América do Sul na modalidade – o Mountain Bike Enduro -, e competindo com diversos pilotos locais de peso, Bretas chega confiante para as provas de 2019. “Ter vencido lá foi fator determinante na minha motivação para este ano. Isso deixou um legado meu no Chile. Há muito tempo um estrangeiro não ganhava uma disputa desse evento e consegui esse feito. Levei a Specialized no lugar mais alto do pódio, em um país que é uma das maiores potências do esporte mundial, projetando vários ciclistas ao Enduro World Series”, avalia o valadarense.

A expectativa é grande para o atleta. “Apesar de ser uma prova atípica, onde os pilotos locais são favoritos, porque conhecem muito mais a Cordilheira dos Andes do que os demais competidores, espero me sair bem, o que me traz uma certa pressão. Independentemente do resultado, estou supermotivado para competir e dar o pontapé na temporada. Tem tudo para ser um ano brilhante”, afirma o atleta.

Por fim, Bretas destaca a importância dos equipamentos para fazer os percursos. “Para quem é praticante do ciclismo, fica muito claro o quanto ter bons amortecedores, e eles estarem bem ajustados, é fundamental para desempenharmos um bom trabalho em cima da bike em uma competição como o Enduro World Series, por exemplo. Vou voltar a usar os amortecedores Öhlins, com apoio de fábrica, direto da Suécia. Terei, assim, todo o suporte de que preciso para me preocupar unicamente com meu desempenho dentro das provas”, conclui.