Agostinho Patrus é eleito presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais

0
266
FOTO: Divulgação.

A cerimônia de posse dos deputados estaduais na tarde desta sexta-feira (1º) foi marcada por manifestações. Agostinho Patrus (PV) foi eleito presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) pelos próximos dois anos. O deputado foi escolhido pela unanimidade dos presentes, com 75 votos. Os deputados estaduais eleitos de Governador Valadares, Celise Laviola (MDB) e Coronel Sandro (PSL), também tomaram posse.

Antes de começar os eventos na Alemg, agentes penitenciários, policiais civis e militares, professores e servidores da área da saúde fizeram manifestação pelo pagamento do 13º salário, em frente à Assembleia Legislativa. A eleição para compor a Mesa Diretora da ALMG não provocou surpresas, já que o nome de Agostinho era o mais cotado para assumir o cargo. Em seu quarto mandato como deputado estadual, Agostinho também foi secretário de Estado de Turismo do governo de Antônio Anastasia, entre 2011 e 2013.

Maia vence na Câmara Federal

O deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ) será o presidente da Câmara dos Deputados no biênio 2019/2020. É a terceira vez que Maia ocupa o posto, algo inédito na democracia brasileira. Ele foi escolhido no primeiro turno, com 334 votos entre 513 deputados votantes. A Câmara conta com uma renovação de 52% das 513 cadeiras e traz novidades, como a ascensão do PSL, cujos candidatos surfaram na popularidade do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A Câmara dos Deputados será composta por 30 partidos diferentes. PT e PSL elegeram o maior número de representantes de todos os estados. A bancada do PT terá 56 deputados e a do PSL, 52. São os dois partidos com mais deputados federais eleitos. Em seguida, com mais cadeiras na Casa aparecem PP (37), MDB (34) e PSD (34). Minas Gerais teve mais de 840 candidatos que disputaram uma vaga para deputado federal no ano passado. Destes, 53 foram eleitos e tomaram posse, três deles de Governador Valadares: Hercílio Diniz (MDB), Leonardo Monteiro (PT) e Euclydes Pettersen (PSC).

No Senado, a reunião para a escolha do novo presidente da casa foi tumultuada. O impasse se deu em torno da decisão pelo voto aberto, que foi tomada por 50 votos favoráveis e dois contrários. A sessão foi marcada por reações acaloradas dos senadores, vários dos quais não aceitaram a mudança do rito para a escolha do novo presidente. Como não houve acordo, depois de nova votação, a sessão foi suspensa e foi retomada ontem. (AGUARDAR VOTAÇÃO…..)

Já a cerimônia de posse foi tranquila. Os 54 senadores eleitos em outubro passado tomaram posse às 15 horas no Plenário. Eles representam dois terços da composição da Casa e terão oito anos de mandato.