“A nossa intenção é mostrar que existe oposição dentro do PSL”

FOTO: Divulgação

Deputada Carla Zambelli (PSL-SP), aliada de Jair Bolsonaro, no encontro do partido

Retrocesso: projeto ressuscita imposto sindical

Tem odor de mofo a “nova” proposta de “reforma sindical”, cujo objetivo é restabelecer o infame imposto sindical obrigatório, que enriqueceu milhares de sindicalistas e fez dos sindicatos uma das mais rentáveis atividades no País. Autor do projeto, Lincoln Portela (PL-MG) quer restabelecer pagamento por “todos os trabalhadores, sindicalizados ou não” de uma tal “cota de custeio”, para bancar a pelegada sindical.

Taxa do atraso

Pelo projeto, trabalhadores ficariam obrigados a sustentar a pelegada malandra e o empregador que não fizer o desconto seria processado.

Proposta insana

Empresa sem abastecer as contas da pelegada com dinheiro tomado dos trabalhadores ficaria proibida até de fazer financiamento bancário.

Só pensam naquilo

Não haveria chance de escapar, caso o projeto fosse levado a sério. Se não houvesse sindicato, a grana iria para a federação ou confederação.

Eles querem mais

O Brasil já tem 93% dos sindicatos do mundo, mas o projeto insano prevê sindicatos para cada categoria nos 5.568 municípios brasileiros.

Governadores do Nordeste calam sobre desastre

É vergonhoso do silêncio dos governadores nordestinos em relação ao desastre ambiental que emporcalha de petróleo quase duas centenas de praias na região. Eles mal conseguem balbuciar lamentações pela sujeira. Quase todos lula-dependentes sob o ponto de vista eleitoral, parecem com medo de eventual prova de que o ditador venezuelano Nicolás Maduro, aliado de Lula, tenha alguma coisa a ver com isso.

Povo negligenciado

Os governadores parecem aguardar um pretexto para culpar o governo federal. O silêncio é sinal de negligência com os próprios cidadãos.

Perderam a língua

Críticos apressados das “queimadas”, o francês Emmanuel Macron e o Papa Francisco fazem ouvidos moucos sobre o petróleo derramado.

São uns artistas

Após temporada no exterior, o governador baiano Rui Costa (PT) põe a culpa em outro lugar: “É inadmissível o silêncio do governo federal”.

Corrupto no conselho do Safra

O ex-ministro e corrupto confesso Antonio Palocci contou à Polícia Federal que era tão próximo do banco Safra, do seu controlador Joseph Safra e do principal executivo Rossano Maranhão Pinto, que foi até convidado a ser conselheiro do banco na Suíça.

Tomando um baile

O presidente Jair Bolsonaro costuma dizer, do alto dos seus 28 anos como parlamentar, que de política ele entende. Mas os deputados do PSL, mesmo os novatos, estão dando o baile nessa queda de braço.

Se deixar, ele ajuda

O senador Eduardo Gomes (MDB-TO), novo líder do governo no Congresso, terá uma condução muito mais tranquila na Liderança do Governo. Experiente, faz amizades com facilidade e sabe cultivá-las com competência. Se o presidente deixar, vai ajudar muito o governo.

Falta ousadia do equilíbrio

Falta ao presidente Jair Bolsonaro o que o ex-ministro da Educação, ex-senador e escritor Carlos Chiarelli, preconiza no título do seu livro famoso: “A Ousadia do Equilíbrio”. Aliás, uma boa dica de leitura.

Tem que prender

Presidente do Instituto Não Aceito Corrupção (INAC), Roberto Livianu lembra que a Constituição prevê que ninguém será culpado antes do trânsito em julgado, mas não se fala nem se veda a prisão antes disso.

Monstruosa coincidência

Todas as entrevistas dos parlamentares do PSL, na sexta-feira (18), após convenção extraordinária em Brasília, foram concedidas em frente ao posto de gasolina que deu origem à operação Lava Jato.

Combate à corrupção

O Barômetro Global da Corrupção mostra que, no Brasil, 48% dos entrevistados acreditam que o governo está fazendo um bom trabalho no combate à corrupção. Em 2017, essa taxa era de 35%.

O que é bom, esconde

Não houve qualquer alarde sobre a liberação de 100% das verbas que, quando contingenciadas das universidades, serviram de pretexto para vários dias de folgas garantidas pelos protestos contra a medida.

Pergunta no cabaré

A filiação ao MDB da mais famosa cafetina do Piauí vai provocar protestos no estabelecimento?