13ª Mostra Brasileira de Foguetes acontece amanhã

0
156
FOTO:Divulgação

Em Governador Valadares, 20 escolas foram credenciadas para participar da 22ª OBA e da 13ª MOBFOG. O Sesi e o Colégio Franciscano Imaculada Conceição são duas dessas escolas credenciadas. O Sesi concorrerá com 13 equipes, sendo 4 do 9º ano do ensino fundamental e 9 do ensino médio. Já o Colégio Imaculada participará com 10 equipes do ensino médio.

A MOBFOG tem por objetivo fomentar o interesse dos jovens pela Astronáutica, Física, Astronomia e ciências afins, promover a difusão dos conhecimentos básicos de uma forma lúdica e cooperativa, mobilizando, num mutirão nacional, alunos, professores, coordenadores pedagógicos, diretores, pais, escolas e instituições voltadas às atividades aeroespaciais.

No próximo sábado, 13, acontecerá a fase oficial dos lançamentos dos foguetes no CEU (Centro Esportivo da Univale), a partir das 8 horas. Esta etapa é aberta ao público, que pode comparecer para prestigiar o trabalho dos alunos.

Nesse dia serão medidas as distâncias de alcance do lançamento do foguete, para serem encaminhadas à MOBFOG. Após o envio de todas as escolas, até o dia 17 de maio, a MOBFOG definirá as notas de corte e informará a classificação dos medalhistas.

Os alunos do 9º ano estão concorrendo no “nível 3”, e os do ensino médio, no “nível 4”. No nível 3, o foguete é construído a partir de duas ou mais garrafas pets de qualquer volume, que ficam presas numa base de lançamento afixada no chão, e terá como combustível somente água e ar comprimido por uma bomba manual de encher pneus de bicicletas. Nesse nível não se pode usar compressores elétricos.

No nível 4, o foguete também é construído a partir de duas ou mais garrafas pets de qualquer volume, que ficarão presas numa base de lançamento também afixada no chão, porém, terá como combustível somente a mistura, em qualquer proporção, de vinagre com concentração de 4% de ácido acético e bicarbonato de sódio (puro ou contido no fermento em pó). A reação química entre o vinagre e o bicarbonato de sódio deve ocorrer principalmente dentro do foguete e não na base de lançamento. Ao final, todos os alunos recebem um certificado de participação, bem como os professores envolvidos nos processos e também os diretores escolares.

A professora do Sesi e do Colégio Imaculada e autora do projeto, Carolina Lelis, ficou satisfeita com os primeiros resultados. “Não tem como existir apenas um vencedor na MOBFOG, afinal, se todos saem aprendendo, consequentemente todos são campeões. O que mais me chama a atenção é a criatividade dos alunos, aliada à interdisciplinaridade com matemática, física e química, onde aplicam os conhecimentos adquiridos em sala de aula. Eles recebem orientações quanto ao funcionamento e montagem dos foguetes durante as aulas e no laboratório físico-químico, tornando o ensino ainda mais eficiente e aplicando os conceitos teóricos na prática”, disse Lelis.

De acordo com a pedagoga do fundamental II e do ensino médio da Escola Sesi, Maria Beatriz do Valle, as olimpíadas científicas, além do conhecimento adquirido, abrem portas para as universidades brasileiras e estrangeiras. “Levando em consideração também que o engajamento no processo competitivo desenvolve as habilidades socioemocionais preconizadas pela BNCC – Base Nacional Comum Curricular. O aluno que participa das olimpíadas científicas desenvolve a capacidade de raciocínio, resolução de problemas, organização de ideias, aspectos fundamentais para o sucesso escolar e pessoal”, concluiu a pedagoga.

Para outras informações entrar em contato no (33) 3272.6544 (falar com Maria Beatriz).

Sociedade Astronômica Brasileira

Anualmente, a SAB (Sociedade Astronômica Brasileira) promove dois eventos educacionais voltados para alunos dos ensinos fundamental e médio de escolas de todo o país. Trata-se da OBA (Olimpíada Brasileira de Astronomia) e da MOBFOG (Mostra Brasileira de Foguetes).

Diferentemente da OBA, que é uma prova teórica, a MOBFOG consta de uma competição prática de lançamento de foguetes na qual equipes de até três alunos podem se inscrever por intermédio de suas escolas.

Os alunos são divididos em quatro níveis, de acordo com a série escolar. Cada nível exige um modelo diferente de foguete: Nível 1: destinada aos alunos matriculados no 1º ao 3º ano do EF; Nível 2: destinada aos alunos matriculados no 4º e 5º ano do EF; Nível 3: destinada aos alunos matriculados entre o 6º ao 9º ano do EF; Nível 4: destinada aos alunos matriculados em qualquer série/ano do ensino médio.

Dependendo do nível, os foguetes podem voar por simples impulso ou ter algum tipo de combustível, geralmente água e ar comprimido ou bicarbonato de sódio e vinagre.